_______________________________________E se esvai no momento seguinte...

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Olhos filtrados vidrados em nada

Assim que abrimos os olhos temos que aprender a enxergar as diversas formas, aprendemos como funciona a terceira dimensão. E nosso mundo vira um caos com a overdose de coisas oferecidas para deleite de nossos olhos, então cada vez mais nós filtramos a realidade.

Fechamos os olhos para aquilo que não nos interessa. Só ouvimos o que queremos ouvir, reprimimos os sentimentos e instintos que julgamos desnecessários. Pra mim ISTO é viver a vida pela metade, se alienar em um mundo de possibilidades que está aqui, está aí, está em todos os lugares inclusive nos sonhos.

Vemos com o ouvido, sorrimos com o pé, choramos escondido, gargalhamos internamente... Esta overdose de informação diária e ao alcance das mãos faz com que uma certa filtragem seja necessária, mas talvez será que não é isso que nos deixa longe uns dos outros? Está tudo errado, quem quiser continuar assim, tudo bem! Mas eu não, cansei de viver a vida pela metade, cansei de enxergar um mundo filtrado, cansei de me privar de coisas que eu desejo por julgar que é/dará errado.

Errado é não se jogar e ter medo é normal. Errado é suprimir seu "coração" por achar que ele só te faz sofrer! Antes de prosseguirmos quero dar a minha definição de "coração": é tudo aquilo que podemos chamar de sentimentos, seja amor, raiva, felicidade, tristeza, solidão, felicidade e porque não instinto!... Enfim, tudo aquilo que nos faz humanos. Aliás, me disseram esses dias atrás: seja mais humana. O meu problema é que faço isso aí que falei, suprimo os sentimentos, guardo eles dentro de mim quando eles parecem explodir e me confundir. Me alieno e espero passar o que eu não entendo. É sentimento demais! Confusão demais! Caos demais.

Errado é tentar fazer o coração bater mais devagar, errado é ficar parado esperando acontecer. Errado é ficar procurando erros nos outros [todos temos], errado é fofocar... Errado é travar mesmo com as travas desligadas...
E eu travo, ah travo! Travo batalhas homéricas dentro de mim mesma... Mergulho no meu rio de sangue que atravessa a planície de sentimentos que tem céu escuro e chuvas diárias... E quem não quer ouvir; não ouça, quem não quer olhar: não olhe, quem não quer sentir: não sinta, quer se privar de vida: se prive. Mas não reclame depois!

É realmente desesperador conseguir enxergar coisas que estavam ali o tempo todo. É realmente desesperador ter que admitir o que você não quer. É realmente desesperador ter sonhos premonitórios em que você fica tentando mudar a realidade e não consegue! Pior que eu sei o que vai acontecer, ou acho que sei... Está acontecendo do jeito que eu sonhei primeiro, esta "realidade" que tentei mudar em sonho e não consegui, tentei mudar no mundo real e não consegui... Travei umas 50 vezes... Travei! Até quando vou travar? =/

Enfim, estou me sentindo vazia... Será mais uma overdose de nada? A palavra que vem a minha mente e diz que estou assim é letargia, não concordo e nem discordo, muito pelo contrário!

Uma ótima segunda-quinta pra vocês!

=*

2 comentários:

  1. Ótimos texto e reflexões!... É exatamente o que senti intensificar ao longo da faculdade: a supressão de sentimentos, ao menos externamente... Qualquer hora vou voltar a isso, parece ótimo também para um conto ;)

    ResponderExcluir
  2. Quando fizer um conto com este conteúdo me avisa ok? Obrigada por ler^^

    ResponderExcluir