_______________________________________E se esvai no momento seguinte...

domingo, 19 de dezembro de 2010

Doente, historinha, vida... pipocando

Desde o dia 14/12 eu não estou bem de saúde, tomei chuva fina e eu estava com a imunidade baixa, no dia 15 tornei a tomar chuva mas eu estava tomando remédio então nem me preocupei. Já no dia 16 eu estava com febre e bem mal, meus pais me levaram no médico, tomei um chá de banco. E cá estou, tentando melhorar desta podreira, e é um saco porque eu perdi a viagem que ia fazer por causa disso ¬¬", então imagine a minha felicidade...

Outra coisa, pessoas que surtam e ficam apontando quando ajudaram a gente [PQ QUIS! E que isto fique bem claro] e de repente aparecem cobrando tipo tudo, sendo que muitas vezes a gente quis pagar e ela não aceitou, enfim, foda-se! Ajudou porque quis!

E pessoas que não tem paciência também me dão nos nervos. Meuuuuuuuuuuuu, meu! Se soubesse, se me conhecesse de verdade veria o quão boba está sendo, veria o quanto eu realmente gosto de você, e que eu estou tentando ir devagar.Eu ODEIO brigar, ODEIO discutir, faço de tudo pra não ter que brigar ou discutir pois isso me machuca demais, e eu sempre perco a linha de raciocínio e acabo falando bosta. Prefiro discutir por msn, se for realmente necessário.

E pra ajudar sempre pipocam problemas e em partes eu não poder viajar por causa que eu estava quase morrendo [exagerada -oi] foi bom porque eu ajudei fortemente dando um apoio moral pra minha mãe ontem ou antes de ontem.

Ah, eu criei uma historinha infantil bem divertida! Eu criei e contei ela no hora que minha mãe foi dormir porque ela estava se sentindo mal por causa das coisas da vida, foi bem fofo^^
Enfim, vou dormir pra ver se minha vida passa mais rápido...

See ya! =*

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Eu não tenho namorado...

Eu não tenho namorado, não é que eu não queira, pois eu quero sim! Há pessoas disponíveis sim! Mas o que acontece é que eu sou muito exigente.
Sou exigente principalmente comigo mesma. E quando eu exijo algo de mim, nunca é fácil. Justamente por isso eu costumo exigir demais das pessoas que se dispõem a ficar do meu lado pois para mim é normal.
Exijo tempo, saliva, carinho, paciência, inteligência e vontade de ficar ao meu lado.
Gosto muito de conversar com as pessoas que eu gosto. E se a conversa "não rende" parece que eu não fui correspondida. E quando a conversa rende, é natural que eu queira conversar mais e mais, e ficar esperando até a meia-noite e meia hora para falar contigo é absurdamente normal.
Acho estranho que eu fico "testando" as pessoas ao meu redor sempre. E algumas passam no teste psicológico sem ao menos estar disponíveis para a vaga... Ou até mesmo para o próximo teste: físico.
Eu não tenho namorado, e isto em partes me incomoda. Sinto falta de ter alguém tão próximo, sinto falta de ter alguém que eu possa encher o saco. Eu não tenho namorado e admito procurar, mas não da maneira louca como eu fazia antigamente, se rolar: rolou, senão.. ;D
Eu sou carente de carinho e de atenção, e, é por isso que eu preciso de MUITOS amigos. É uma loucura exigir atenção de uma pessoa só! E é por isso também que eu não tenho namorado, pois me afastei dos meus amigos...
Eu sei que ficou um texto cansativo, me desculpe! Espero que tenha um ótimo dia!
See ya!
=**

domingo, 5 de dezembro de 2010

Reflexo rápido

Seria tão vil assim desejar alguém para multiplicar as felicidades e compartilhar as tristezas? Alguém que você saiba que sempre poderá contar. Alguém para te dar carinho e para receber carinho. Alguém que ria de você, com você e dele? É muito pedir que este desejo seja concedido?!

É muito tentar entender como o mundo parece ter evoluído tanto e eu parada no tempo?!

Princess Mee

  Little Princess Mee
  Lovely was she
As in elven-song is told:
  She had pearls in hair
  All threaded fair;
Of gossamer shot with gold
  Was her kerchief made,
  And a silver braid
Of stars above her throat.
  Of moth-web light
  All moonlit-white
She wore a woven coat,
  And round her kirtle
  Was bound a girdle
Sewn with diamond dew.

  She walked by day
  Under mantle grey
And hood of clouded blue;
  But she went by night
  All glittering bright
Under the starlit sky,
  And her slippers frail
  Of fishes' mail
Flashed as she went by
  To her dancing-pool,
  And on mirror cool
Of windless water played.
  As a mist of light
  In whirling flight
A glint like glass she made
  Wherever her feet
  Of silver fleet
Flicked the dancing-floor.

  She looked on high
  To the roofless sky
And she looked to the shadowy shore;
  Then round she went,
  And her eyes she bent
And saw beneath her go
  A Princess Shee
  As fair as Mee:
They were dancing toe to toe!

  Shee was as light
  As Mee, and as bright;
But Shee was, strange to tell,
  Hanging down
  With starry crown
Into a bottomless well!
  Her gleaming eyes
  In great surprise
Looked upon to the eyes of Mee:
  A marvellous thing,
  Head-down to swing
Above a starry sea!

  Only their feet
  Could ever meet;
For where the ways might lie
  To find a land
  Where they do not stand
But hang down in the sky
  No one could tell
  Nor learn in spell
In all the elven-lore.

  So still on her own
  An elf alone
Dancing as before
  With pearls in hair
  And kirtle fair
  And slippers frail
  Of fishes' mail went Mee:
  Of fishes' mail
  And slippers frail
  And kirtle fair
With pearls in hair went Shee!


[Poesia publicada em "As Aventuras de Tom Bombadil"]

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

E eu achei um trevo da sorte...

[Aviso: Este texto será submetido a revisão algum dia, portanto não reclame]
Era mais um dia relativamente comum na vida de Aline [sim, eu!], acordei mais ou menos na hora certa, fui trabalhar, li um pouco, almocei. Aproveitei que minha irmã ia na auto-escola e fiz a minha matrícula de carro-moto, voltei a trabalhar, o pessoal veio para tirar todas as cadeiras e mesas alugadas e nós ficamos sem onde sentar. Enfim dispensados fui ao banco, no caminho liguei para ele mas ele não atendeu, no banco paguei a taxa do Detran, liguei pra ele e ele estava ocupado. Fui ao supermercado e caminhei até a auto-escola, entreguei o comprovante de pagamento da taxa e quando eu estava saindo, ele ligou eu sentei numa calçada ao lado da auto-escola e enquanto conversávamos achei um trevo de quatro folhas e como eu verei ele logo achei que nada era mais justo que entregar o trevo de presente [num invólucro de plástico ;D], conversamos alguns alegres e sublimes minutos [que eu estenderia por HORAS fácil...]. Fui pro Terminal, peguei o ônibus e rumei até o centro. Chegando lá, no caminho até o Shopping Mueller eu comprei uma carteira nova, passei na Livrarias Curitiba onde cumprimentei meus ex-colegas de trabalho e me dirigi ao piso do cinema, comprei meu ingresso e fiquei lendo Brisingr até a hora da Andressa chegar. Assisti o penúltimo filme do Harry Potter, e posso dizer? Tesão de filme! Recomendo!

=*

domingo, 28 de novembro de 2010

Thor, o temível.

Do alto do Montanha do Céu estava o dragão mais temido de toda a Terra-Média: Thor, o temível. Mas o que os aldeões dos vilarejos mais perto não sabiam era que no âmago o dragão se sentia vazio. Ele tinha uma pilha de ouro que era mais alta que o Portal do Infinito, e maior do que a maior cidade da Terra-Média: Guadnaguim, mas o ouro por si só não o satisfazia.
E um dia, cansado dessa vida monótona de devorar todos que encontrava e queimar tudo ao redor da Montanha, ele voou para além-mar à oeste da Montanha, achou uma ilha que tinha tudo o que ele precisava, mudou todo o seu ouro para o cume do Monte e esperou a morte chegar.
Tudo o que ele queria era alguém que o compreendesse, e alguém para brincar de travas línguas enquanto tremia de medo por estar frente a frente com o maior dragão de todos os tempos. Passou muito tempo mas ninguém chegou a Ilha da Perdição. Ainda há histórias do dragão perambulando por toda a Terra-Média embora muitos não acreditem mais, pois a Montanha do Céu é um lugar de peregrinações e ao redor dela tem a melhor pastagem. Não sobrou nenhum vestígio de Thor. E assim, mais uma Era se passa, esquecida do seu maior medo.

*Clique em cima para ver o link*

sábado, 27 de novembro de 2010

Crises...

Acabei de sair de uma crise dos 5 minutos, devido a um fato tenso. Mas eu decidi jogar "tudo" pro alto. Foda-se.

Eu não sou a melhor pessoa do mundo, eu sei. Eu tento e me esforço, mas às vezes não é o suficiente. Eu queria ser uma das suas "pessoas importantes", mas eu não sou. Desde o começo eu soube que eu sofreria muito quando eu olhei pra você. É triste, até porque você é a pessoa que eu confio de olhos fechados. É triste, porque eu achei que merecia ser feliz contigo, só que você não me quer da mesma maneira...

Você sempre foi especial pra mim. Eu tentei, eu juro que tentei, tentei até demais eu acho. Tentei ser uma pessoa diferente para que você não me largasse. Tentei ser perfeita [de novo, droga ¬¬"] pra você. Tentei não cobrar e ficar de boa, mas eu ainda sinto ciúmes. E eu odeio sentir ciúmes, por isso eu vou cair fora.

Odeio me sentir fraca e insegura. Odeio me sentir com a auto-estima lá embaixo.

Vou mergulhar no meu mundo, e não vou mais sair. Fim.

=*

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Tema indeterminado

Oi! Então, eu estava afim de escrever aqui no meu blog mas o tema vinha e eu esquecia. Assim, decidi escrever do mesmo jeito, mesmo não tendo pé nem cabeça, tema ou conto.
Hoje descobri que passei pra segunda fase do vestiba pra UFPR, acertei 41 questões. Ontem tive uma crise de choro. Eu queria ganhar um bichinho de pelúcia >.< [mimimimi]

Quero viajar neste final de ano para a praia. PRECISO infinitamente ver a primeira parte do último filme do Harry Potter. Enfim, é isso aí.

Eu estava meio angustiada por causa de umas paradas aí. Mas ah, deixar rolar né?! Não se pode ter tudo o que quer, e aliás, tá bom assim, não tá?! Quem eu quero não me quer da mesma maneira que eu quero. E quem me quer, eu não quero. Logo, ficar com quem não me quer da mesma maneira.

Eu quero um namorado, mas eu sei que eu só vou conseguir um quando eu quiser ficar solteira. Éééééé, é a vida!

=*

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Tombo, compras e 6,02*10^23

Ontem, o começo do dia estava lindo apesar de eu não conseguir acordar no horário estipulado. Fui trabalhar de bicicleta, bem linda. Passado um bom tempo que eu já tinha começado a trabalhar efetivamente, começou a chover, assim, eu arrumei um jeito para colocar o meu guarda-chuva (laranja) no meu colete do Tenso 2010. Daí né eu estava em cima da bicicleta quando o guarda-chuva, por causa do vento, virou! Imagine a cena bem linda: Aline com um guarda-chuva laranja virado parando a bicicleta para ajeitar, e lógico, caindo. Eu caí tipo uma pizza mole, se é que você me entende...
Mas foi legal, eu fiquei com uns roxos, um machucado pequeno na canela [mas que arde...], e entortei a roda de trás da bicicleta [já consertado]. É isso! Não morri desta vez XD

Hoje, eu aproveitei e passei no centro, incentivei o consumismo alheio e comprei coisas... Não vou detalhar o quê porque não to afim =x

Boa noite
=*

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Bicicleta, vestibular, 42 e torta estranha mas bom pra car...

Sexta da semana passada, ou seja dia 12/11, eu andei de bicicleta. Nossa! Faz muito que eu não sentia essa sensação de liberdade por causa do vento na face e agitando meus cabelos. Sério! Sensação no mesmo nível de fodismo é um dia que eu fui no MON bem acompanhada por duas amigas minhas [LA apavora aliás, rolar na grama também! *----------*]
Enfim, andei de bicicleta aqui no meu bairro e no bairro vizinho (detalhe: cheio das subidas e descidas). Queria ter ido pro politécnico, mas o problema não era definitivamente ir... Até porque é relativamente perto [já fui a pé], mas o problema efetivo era voltar. E quando eu cheguei em casa morta de cansaço eu fiquei realmente feliz de não ter me forçado mais ainda. Mas eu coloquei toda a energia em movimento, e joguei fora as ruins.

Sábado, foi um dia de merda para falar a verdade. Eu não lembro o porquê mas eu fiquei mega baixo-astral lendo, e pedindo para não existir. Devia ser a ansiedade e a cobrança nééé!

Domingo, dia de vestibular pra UFPR e aniversário do meu irmão, Marcos. Acordei tarde, almocei e meu irmão me levou até o Col. Est. Leôncio Correia para eu fazer o vestiba. Cheguei lá cedo pra caramba e fiquei "autizando". Fiz a prova e saí às 18:22 mais ou menos. Já em casa eu tomei remédio para a minha dor de cabeça. Joguei The Sims 3 e ouvi música.
Bem depois, conferindo no gabarito que saiu no site da UFPR, acertei 42 questões, na verdade não é muito comparado ao meu desempenho na minha época de ouro em 2005, pro vestiba que me fez entrar na faculdade em 2006. Mas naquela época eu estudava o dia inteiro.

Segunda, com cara de domingo *-* Acordei tarde, e fiz tudo o que um domingo merece: nada de produtivo. xD
Mas terminei de ler "As Crônicas de Nárnia" e apesar de achar meio fraco, eu me diverti lendo, e isso que importa.


=*

PS: Odeio cigarro, cheiro de cigarro, pessoas com cheiro de cigarro, roupas com cheiro de cigarro, mas ain, o cheiro do LA é bom demais.
PS2: Saudades de quem some assim [emo, =p]

terça-feira, 9 de novembro de 2010

In Dreams

When the cold o Winter comes
Starless night will cover day
In the veiling of the sun
We will walk in bitter rain


But in dreams
I still hear your name
And in dreams
We will meet again


When the seas and mountains fall
And we come to the end of days
In the dark I hear a call
Calling me there
I will go there
And back again

Esta música faz parte da trilha sonora do filme "O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel".

Giz...

Música que traduz o momento "Giz -Legião Urbana" que dedico a um amigo meu cujo nome eu não irei citar. Eu gosto dele, mas ele não gosta de mim o mesmo tanto. Houve um tempo que ele gostava mas não podia ficar comigo, essas coisas de relacionamentos monogâmicos. E eu também achava errado ficar com ele, mas sempre tinha uma pontinha de mim que queria que tudo se fodesse e eu pudesse ser feliz por 1 segundo que fosse. Esse segundo chegou tarde demais, e com ele o sentimento que havia praticamente sumiu ou mudou. É boa a nossa amizade, e é assim que vai ser agora...

domingo, 7 de novembro de 2010

Post Emo 342987543826527963194

Eu não sei porque eu estou com essa vontade idiota de chorar. É lógico que eu sinto falta de você. Mas eu não quero admitir, não quero correr atrás demais, não quero ser chata.
Eu estou confusa, me confundindo. Eu não sei o que eu faço, se eu ligo, se eu não ligo, se eu mando mensagem. Se eu me decido, se eu deixo estar. E, assim, eu me cobro demais e acabo não fazendo nada com medo de fazer algo errado. Apesar disso, eu não sei se eu fiz algumas coisas certas aí, mas agora eu já fiz né?! Cansei de esperar nego se decidir i.i

Final de semana que vem terá a prova da UFPR, e meuuuuuuuuuuuu, estou com MUITO medo de me dar mal também. O que provavelmente irá acontecer... =S
Não estou com otimismo, minha auto-estima tá péssima, meu cabelo tá enchendo o saco. E eu preciso reclamar, dá licença.

Me fudi no ENEM, pqp! Minha redação tinha tanta linguiça cheia que saravá... Ah, odeio texto em prosa! x.x
Sim, o mode on aqui é o flashback bem louco. Apesar que eu quaaaaaaaaaaaase sempre separo por assunto bem louco, pois se eu deixar do jeito que veeeeeem, fica tudo desorganizado. Ah se fuder isso >.<

Estou com estresse acumulado. Vou chorar ali e não volto!

=*

sábado, 6 de novembro de 2010

Autismo sobre o ENEM

E assim, nuvens.. Alines... Algumas de cabelo comprido, outras de cabelo curto.. Algumas loiras outras morenas, umas mais arrumadinhas, outras mais despojadas. A maioria de roupa roxa ou rosa, as outras de cores neutras: branco, preto e cinza. Duas de vermelho, uma de verde listrado.
Tantas histórias ao mesmo tempo, no mesmo lugar, quantos desejos estão ali naquela sala. Algumas mais novas, outras mais velhas, todas querendo se sair bem nessa prova.
Umas mais bem preparadas, outras não. Muitos chutes. [C.H.U.T.E. = Cálculo Hipotético Universal Técnico Estimativo.] Uma o namorado levou até a porta da sala. A sala ficará quente quando a hora passar...
Sem relógio, sem lápis ou lapiseira, sem borracha. Daqui a pouco não pode decote e nem casacos.
Que cor será a minha? Branco, azul, amarelo, rosa? Amarelo [Carameeeeeeeeeeeeeeeelo, biscoiiiiito...]
Ah, verde-água. Composição por justaposição. Aguardente, composição por aglutinação.
Foucalt. Maquiavel. Ah! Cafézinho sem dúvida! Hahahaha!

É, odeio preencher gabarito, já falei?!

=***

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Reclamações

É incrível como  a convivência só fode com as relações interpessoais. As pessoas começam a se estressar umas com as outras por causa de BOBEIRA, ninguém cede e ninguém vai pra frente. Não que não seja legal morar com alguém mas sinceramente é um saco. Ainda mais quando são: 5 pessoas sendo 2 homens e 3 mulheres, 3 cadelas, 2 peixes, 1 galinha e 2 computadores [só!].
É super interessante que um tempinho de feriado é suficientemente grande para pipocar discussões. A vontade que me dá é sumir, dormir até não mais acordar.
Eu jáááá estou MEGA estressada com toda essa coisa de vestibular, estressada com o meu trabalho pois essa semana vai ser tenso e eu preciso do dinheiro né?? =/
Eu preciso de abraços, de carinho, de atenção, dos amigos que eu me afastei =/, da minha vida sendo diferente.. De tempo pra estudar, de estudar, de me divertir pra desestressar.
É estranho não saber o que uma pessoa está pensando. Eu geralmente consigo "ler" o que as pessoas querem, mas com algumas simplesmente não funciona e assim eu dependo dos meus pensamentos sobre o que pode acontecer, e minha auto-estima é baixa e minha indecisão só fode a vida, assim como o meu pessimismo que também é uma droga. Outra coisa que só fode tudo é a minha capacidade de fazer drama, não importa se o acontecimento é bom, ou ruim, chato ou "perfeito" eu sempre faço drama, eu sempre exagero. Ainda mais quando eu estou escrevendo sobre isso... [Portanto esse texto também estaria sendo exagerado? A resposta é SIM!]
E outra coisa, eu não quero ser chata, não quero ser insistente, não quero que as pessoas enxerguem o meu romantismo exacerbado [adoro palavras legais], pois pra mim demonstrar tudo isso é sinal de fraqueza. E eu não quero ser fraca, eu quero ser forte!
Até logo e obrigada pelos peixes.
=*

Ps.: Ah, e pretendo continuar a história do "Ecos de uma vida", mas as postagens serão aqui! xD

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Nuvens no fim do verão...

Era uma tarde de domingo com Sol desinibido e céu granulado de nuvens. A menina sonhara com este dia e aguardava ansiosamente por ele. Na sua casa ela preparou comida suficiente e colocou numa mochila, estava pronta. Alguns minutos depois ele chegou, pontualmente, com aquele sorriso no rosto que ela adorava, e ele disse: "Vamos! Hoje será um dia incrível na montanha!", ela concordou com a cabeça. Assim começaram a subir o Monte das Nuvens, famoso entre os conhecedores das artes secretas, como este ficava perto da casa dela eles foram a pé.

Na subida conversaram pouco, encontraram esquilos e cerejeiras em flor em todo o caminho. A menina estava tranquila agora, esse era um dos poderes dele sobre ela: acalmá-la. Ele era sempre prestativo: ajudava ela quando o caminho era íngreme demais ou tortuoso demais para a baixa estatura dela.

Quase chegando lá em cima do Monte das Nuvens o menino disse "hoje é um ótimo dia, dará para fazer o que eu queria tanto te mostrar", ela não respondeu, pensara tanto nas possibilidades, sonhara tanto com este momento, espera tanto que às vezes chegava a doer o coração. Mas hoje nada ia tirar a felicidade dela, nem o cansaço da subida, nem o medo, nem o tempo.

Como vocês não estão habituados com este mundo, deixa eu explicar: No Monte das Nuvens, no dia em que acaba o verão, é aberto um portal que somente os conhecedores das artes secretas conseguem enxergar. E o menino era um deles, mas ele só poderia levar junto com ele uma pessoa a cada ano. A menina temia não ser escolhida, como aconteceu no ano passado, mas este ano ele a escolheu e ela estava eufórica.
Quando o Portal se abriu, ele sentiu o calor do Sol, era azul, da cor do céu, estava aberto o portal que levava ao pico do Monte das Nuvens. Sorrindo, o menino pegou a mão da menina, e caminhou lentamente. Quase esqueceu a sua mochila, voltou para pegar, e, juntos atravessaram o portal.

Era fantástica a vista lá de cima, tinha um pequeno chão de terra, uma pedra, e o resto era um tapete imenso de nuvens, que ia até o horizonte. O Sol dava as caras, e sorria para eles, ninguém iria atrapalhar este momento. Sentaram numa pedra e olharam o Sol, o calor irradiava dele, e a menina achou que fosse chorar de felicidade, mas não chorou externamente, o menino abraçava ela e sorria enquanto olhava para o Sol. Pegou a mão dela e a levou para o seu primeiro passo sobre as nuvens.
Ele parou na borda entre terra e nuvem, olhou para ela e deu um passo. Olhou-a com alegria e estendeu a mão, ela hesitou por menos de um segundo, e deu o passo que ela tanto esperou. Até que enfim, estava andando sobre as nuvens! E ela começou a correr, ele a acompanhou. Em um momento ela pegou carona nas costas do amigo, noutro deitou no chão de nuvens que era muito confortável. Correram, brincaram, comeram um pedaço das nuvens, tinha gosto de algodão doce. E deitaram perto do círculo de terra, olhando o Sol se por.

A menina olhava para o Sol como um amante olha para o ser amado. E o menino olhava para ela da mesma maneira. Só eles sabiam o quanto esperaram por este momento, e eles fizeram tudo do jeito certo. Ela queria dizer para o menino o quanto ele era especial para ela, mas sentiu que não precisava. Ele sibilou algo, ela perguntou o que ele tinha falado, e ele sorriu em resposta. No fundo dos olhos dele estava a resposta, e o silêncio foi mais revelador do que qualquer palavra. Ele queria mostrar à ela o quanto a vida é bela, por isso a escolheu, pois saberia que com este momento a vida dela seria diferente. Ela ficara tão feliz que sabia que faria de tudo para ver ele feliz.

Voltaram para a terra e comeram o que ela trouxera, em cima de uma toalha de mesa que ele trouxera e assim saíram as coisas da mochila dele: um cobertor, uma garrafa de suco, uma cereja e dois pedaços de "pudim dos anjos" que era a sobremesa favorita de todos da região. Comeram. Atravessaram o portal e desceram a montanha. Ele deixou ela em casa sem querer [querendo] com beijo no canto da boca. Ela entrou quase correndo em casa, derretendo de amor pois tinha certeza que sua vida seria maravilhosa.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Cobertura de nuvem




E na montanha mais alta
Da Serra do Mar
Ela está coberta de nuvens
Com recheio de morango

Se alimenta dos sonhos
Sorri quando tem Sol
Se refresca na chuva
E sai pra passear depois

Olha no horizonte
E se surpreende com cada nuvem
O céu azul ou até meio rosa
O céu cinza granulado

O frio e o calor ficam mais bonitos
E ela entende que esse sempre foi o certo
Dá vontade de correr até as montanhas
Pois elas parecem que estão tão perto

E ela dança no topo do seu mundo
Roda, gira e rodopia levemente.
Ah! As nuvens!
Ela nunca se sentiu tão feliz
Assim ficou, sorrindo e dançando alegremente.

Dedico esta poesia à este momento. Mesmo depois de tanta dúvida, tanta espera, tanto medo dos fantasmas retornarem, o que importa é que estamos aqui.

*PS: Tirei o link, mas a resposta como o Adhe tinha comentado é 4!
*PS2: Pô Adhe! Pq você tirou o seu outro comentário?! =*

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Sonhos podem virar realidade

Eu não lembrava que sonhos podem virar realidade... Sonhei que uma certa pessoa me ligava e dizia que ia lá em casa me ver. E aconteceu!

Eu não sei porque mas depois deste sonho eu tive certeza absoluta do que eu tenho que fazer... É que eu estava com medo de levar um toco do tamanho do Universo [exagerada -oi]. Assim, antes que ele desistisse agora de mim do que depois, que daí eu estaria envolvida e seria muito mais foda. Bom, não funcionou. E eu estou feliz que não tenha funcionado porque eu sei que eu quero ele do meu lado muito mais do que eu consigo admitir.

A única diferença é o jeito que ele me tratou no sonho e na vida real. Às vezes a vida real pode ser tão mais bonita

Eu me isolei tanto do mundo, me machuquei tanto porque eu achei que merecia. E agora eu me sinto leve, pelo menos muito mais leve. Ontem eu tive crise de nervoso, comecei a chorar que nem uma retardada. Mas agora está tudo bem! xD

Eu quero dizer pra você: Obrigada por fazer parte da minha vida!

See ya! =*

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Não leia se você tem coisa melhor para fazer...

Eu não sei em que ponto, mas eu naufraguei em mim. Caí do pedestal da felicidade para a realidade, e não quis mais ver o que estava acontecendo. Eu fiquei muito chateada com tudo isso que aconteceu, embora provavelmente eu esteja descrevendo a tristeza do mesmo modo como eu descrevi a alegria: exagerado.

A verdade é que nem a certeza de alguma coisa me faz agir. Eu sempre espero que aconteça.
Parece bobo e ridículo, mas eu tenho medo de levar um "não" na cara de novo, mesmo que isso custe MUITO caro.
A verdade é que eu não quero sair do meu "poço" porque eu acho que tenho que pagar todos os meus pecados - que alguns disseram que eram muitos - nem que isso custe MAIS caro ainda, eu sei que eu estou errada em ficar nesse ciclo destrutivo, mas eu não consigo sair.

Eu destruí tudo o que eu tinha praticamente. Me isolei dos amigos, terminei com o namorado, até da minha família eu continuo distante,  mesmo o meu corpo estando ali, tão perto. Me isolei de mim, por não saber quem eu sou. Quis renegar tudo o que era e/ou não era meu, para tentar me encontrar. Não ajudou.

E eu fico assim, cavando a minha própria cova. Esperando...
Eu tento levar algumas pessoas para sair nunca dá por causa dos horários. E quando dá, eu já cansei de pedir e/ou estou cansada demais. E eu não vou sozinha porque eu não quero ir sozinha. Eu preciso de apoio, de compreensão, de alguém que me dê uma força, mas eu nunca peço. Eu sou orgulhosa demais nesse ponto. E até porque os outros estão cheios de problemas já...

Não se sinta sozinho porque eu desmarquei contigo. Eu estou desmarcando com todo mundo, principalmente comigo. Estou deixando pra depois a minha vida no geral... É esse o problema.

Bom, estou feliz porque algumas pessoas que eu considero pra caralho estão felizes!  *-* E se você sobreviveu até o final deste post, parabéns! [Depois eu volto ele pra rascunho pra não encher a vida de ninguém]

E no mais.. Eu avisei para não ler...

=*

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Pra você...

O mundo é tão pequeno, e nós somos menores ainda. Por que eu não te encontro? Por que eu não te reencontro? Eu tenho que te contar aquilo que eu ainda não te contei. Muitos anos eu espero para ter essa chance, e queria que você ainda quisesse ouvir.

Eu estou aqui, sempre estive, no mesmo lugar, na mesma casa. Aqui, perto de onde foi a nossa escola, perto de onde eu chamei o seu nome e me calei, envergonhada, sem conseguir dizer nada. Fato: eu me arrependeria até o último por não te contar. Fato: você mudou a forma como eu enxergo o amor.
Sim, eu sempre continuarei uma romântica incorrigível. Eu duvido que vou poder olhar para você de volta e enxergar você realmente. Até porque eu mal lembro do seu rosto.

O que me entristece é que você sempre será a lembrança do quanto eu errei. Do quanto eu me iludo achando que gosto de outro, quando na verdade gosto de alguém assim como você, que está perto. Que me enche o saco, que briga comigo, mas que eu não consigo viver sem. Que eu sinto falta, e que eu brinco toda hora. Que me faz rir e também me faz pedir para não quebrar o armário.

Se naquele momento eu tivesse a consciência que minha vida poderia ser diferente... E a música que eu dedico à você, que minha voz não consegue encontrar:

Voe por todo mar e volte aqui
Voe por todo mar e volte aqui
Pro meu peito...


Se você for, vou te esperar
Com o pensamento que só fica em você
Aquele dia, um algo mais
Algo que eu não poderia prever
Você passou perto de mim
Sem que eu pudesse entender
Levou os meus sentidos todos pra você
Mudou a minha vida e mais


Pedi ao vento pra trazer você aqui
Morando nos meus sonhos e na minha memória
Pedi ao vento pra trazer você pra mim
Vento traz você de novo
O Vento faz do meu mundo um novo
E voe por todo o mar e volte aqui
E voe por todo o mar e volte aqui
Pro meu peito...

E assim eu finalizo, com uma saudades absurda de alguém que eu não sei se vou chegar a encontrar de novo na minha vida.

See ya! =*

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Voando ^^

Estou tão feliz! Parece ter sido um sonho ontem! Eu estava tão nervosa que eu saí correndo com medo de perder o ônibus, a chance... E fiquei tremendo de ansiedade e nervosismo!

Nem acredito que depois de tanto tempo, tanto sofrimento, tanto choro, tanto desejo contido tenha dado certo pelo menos uma vez! Faz muito tempo que eu esperava por esta oportunidade! Eu estou MUITO feliz!
Mas confesso que estou com medo... Medo de acontecer alguma coisa, medo de eu fazer cagada, medo de não ser correspondida, medo de tudo desabar...

E, o meu coração dispara e eu fico com cara de retardada mental quando eu ouço a voz dele! Ele me ligou! *-*
-morri-

Quando eu fico fazendo graça, ele me abraça. Ele ri das minhas piadas idiotas.

Eu estou sonhando?!

=*

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Pandora, sonho e de volta outra vez...

Adotamos aqui em casa mais uma cadelinha fofa! ♥
É a Pandora[ou: Panda, Pan, Cabritinha, Panzinha, Pandorinha] e eu que achei ela!


E no sonho de hoje:
Sonhei que era de noite, e tinha festa aqui em casa!
Então eu fui andar pelo bairro, e eu corria pulava e VOAVA! =~~~
Muito bom! Eu me senti mega relaxada!
E também eu tinha que entregar uma folha de papel pra Fabii

É... bem louco! Mas foi muito bom voar! Teve uma hora que eu estava beeeeem veloz em uma descida, então eu dei duas cambalhotas no ar e caí, leve, no chão [nem doeu!]. Então eu subi uma ladeira íngreme pra caralho, enquanto isso dois cachorros [amigáveis] me seguiam.

*Ah, pra quem segue issaqui tem meu perfil novo no orkutis

See ya! =***

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Inauguração

Olá a todos! Muito boa noite [ou insira o cumprimento adequado aqui]!

Eu sou a Aline e venho apresentar meu mais novo blog:

"Overdose de Nada"

Sabe quando você está no ócio e tem uma "overdose"? É sobre isso que o título sugere.

Aqui tem um apanhado de todos os outros blogs que eu fiz:
*Inspirações InsPirativas que virou #alinelfa
*Ecos de uma vida [que você encontra as postagens através do devido marcador]
*Expirações Expiratórias[nem lembro se o nome é esse mesmo].

Enfim, é uma nova fase [já cheguei no Big Boss malvadão?] e eu comentarei mais sobre ao longo das outras postagens.
Em breve mais atualizações da história "Ecos de Uma Vida"

domingo, 12 de setembro de 2010

E morre um nick

Então...

Vou destruir mais uma coisa [outra?!], depois do orkut, do formspring, do blog recém criado que eu nem cheguei a exibir, da mudança de nick no Twitter, e mudança de msn... Venho por meio deste lhes informar que este blog morrerá logo.

É mais por causa do nick em si, não que eu já não tenha criado outro [por enquanto tá na "moita"]... Eu não aguento mais este nick: alinelfa.

Eu criei este nick com 14 anos de idade, e já passou o prazo de validade dele.

Por isso estou excluindo este blog, o msn e tantas outras coisas... Quanto estiver tudo devidamente no seu lugar eu excluo os e-mails com "alinelfa".

Anyway, é isso aí pessoal! (Y)

See ya! =*

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Ah.. O amor! E as escolhas da vida...

E o assunto de hoje é o amor...

Estou meio decepcionada com o "amor" que tanta gente diz que tem, que tanta gente declara aos quatro ventos e que tantos almejam.
Amar é aceitar o outro com suas virtudes e erros, com suas vaidades e manias, com o seu jeito único de dizer cada coisa nas mínimas ações.

Não, eu não acho que as pessoas mudem só porque alguém fica dizendo pra ela mudar. Sim, eu acredito em mudanças, mas elas tem que vir de dentro, bem de dentro, e exigem tempo e paciência para serem devidamente curadas.

Eu não sou perfeita. Passei muito tempo da minha vida tentando ser perfeita aos olhos de quem eu amo: meus pais. E passei quase a minha vida inteira tentando ser perfeita para outras pessoas qu eu gosto muito: meus amigos.

Eu sempre fui de poucos amigos, e quase nunca deixava alguém entrar na minha vida de verdade. Tinha pavor de que alguém soubesse o que se passava na minha cabeça. Sempre tive diários, e mesmo assim nunca consegui dizer objetivamente o que eu queria dizer. Sempre inventava códigos para ninguém além de mim conseguir ler, e eu sinto muito por isso, pois algumas coisas nem eu consigo ler mais.

Eu sempre me nego o "viver a vida" e fico inventando desculpas para continuar assim. No fim, todos os problemas se tratam de "zona de conforto". Por isso vou aos mesmos lugares, falo sempre com as mesmas pessoas.

Eu não quero julgar as outras pessoas por nada, às vezes acabo julgando, mas acontece, eu sou imperfeita. Eu acredito que a única pessoa que pode decidir a vida da pessoa em questão, é somente a pessoa em questão. No fim, a escolha é sua...

Se você escolheu se isolar dos seus amigos, sofra as consequências, foda-se se você tem um motivo, você sempre vai arrumar um motivo.
Se você escolheu agir mais energicamente, enfrente as consequências.
Se você escolheu a omissão e a ignorância, desculpa, mas é problema seu.

Amar, é aceitar o outro como ele é. Mas também é ajudá-lo a evoluir.
Tudo tem limites, minha mãe me ensinou isso.

Se eu cutuquei é porque eu queria ver até onde você poderia chegar.

Eu não pertenço a ninguém. Eu posso arruinar a minha vida, se eu assim quiser.

Posso olhar prum dia chuvoso e decidir tomar chuva gelada.

O amor não está exclusivamente nas pessoas. Muitas pessoas nem sabe o que é amar. Sabem o que é o "amor".

Eu posso estar errada, eu posso estar sendo egoísta, eu posso ser a pior pessoa do mundo neste momento. Mas eu só tenho uma coisa a te dizer:

Eu não sou perfeita.

Não vou forçar ninguém a me aceitar como eu sou. A escolha é sua.

Quer que eu liste meus defeitos?!

=*

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Hamlet...

Ser ou não ser; essa é toda a questão:
Se mais nobre é em mente suportar
Dardos e flechas de ultrajante sina
Ou tomar armas contra um mar de angústias
E firme, dar-lhes fim. Morrer: dormir;
Não mais; dizer que um sono porá fim
À dor do coração e aos mil embates
De que é herdeira a carne!... é um desenlace
A aspirar com fervor. Morrer, dormir;
Dormir, talvez sonhar: eis o dilema,
Pois no sono da morte quaisquer sonhos
- Ao nos livrarmos deste caos mortal -
A paz nos devem dar. Esta é a razão
De a vida longa ser calamidade,
Pois quem do mundo os males sofreria:
A injustiça, a opressão, a vã injúria,
O amor magoado, as delongas da lei,
O abuso do poder e a humilhação
Que do indigno o valoroso sofre,
Quando ele próprio a paz encontraria
Em seu punhal? Quem fardo arrastaria,
Grunhindo, suarento, em triste vida,
Senão porque o pavor do após-a-morte
- Ignota região de cujas linhas
Não se volta - a vontade nos confunde
E nos faz preferir males que temos
A buscar outros que desconhecemos?
Assim nos faz covardes a consciência,
E o natural fulgor da decisão
Sucumbe à débil luz da reflexão;
E assim projetos de vigor e urgência
Em vista disto seus cursos desviam
E perdem o nome de ação. Oh, cala-te!
A bela Ofélia! - Ninfa, em tuas preces
Lembrados sejam todos meus pecados.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Conto da Lua

Era perto de meia-noite, eu estava no meu quarto no sótão. Olhando a lua que estava quase cheia. Pensando sobre amores e sentindo um amor eterno pela lua. "Coisa de adolescente" penso eu. Mas continuo admirando a beleza dela, a dama da noite, brilhante.

Decido ir dormir, mas deixo a cortina aberta para a luz da lua entrar.

Sonho com você... [ver o post abaixo]

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Você...

O fato é que você me faz feliz, me faz feliz quando está sorrindo, me faz feliz quando eu olho pra você, me faz feliz quando eu estou surtando de felicidade, me faz feliz quando eu estou triste por não ter quem eu queria ao meu lado.

De todas as coisas, a que mais me faz feliz é que eu não me enganei sobre você em nenhum aspecto, e mesmo que não fique do jeito que eu imagino antes de dormir, pelo menos eu posso te ver, e ser feliz por você estar feliz, nem menos, nem mais.

Eu não pretendo ultrapassar esses limites, até porque isso vai contra meus princípios morais.

Eu sei que eu não sou santa. Nem pretendo ser canonizada por milagre nenhum. A vida é uma merda mesmo =P

Você é o meu impossível, meu inalcansável, minha ilusão. E foda-se se não pode se realizar do meu jeito... Afinal eu posso te ver, ainda...

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Aleatoriedades

Heyyy!!!

Espero que tenham gostado dos contos rápidos que SDS [só Deus sabe] se irão ter alguma continuação!^^

Estou aqui para repartir com os leitores [?] deste blog uma parte da minha vida [diário [coisa de menininha] -q]

Estou me sentindo perdida, o meu trabalho está me sobrecarregando, e eu não tenho vontade nem de existir no final de semana.

Quando eu olho o trabalho que eu preciso supervisionar me dá um aperto no coração e uma vontade de chorar, pq tá quase tudo errado... Isso me brocha, sério!

Dae eu sempre to vendo CSI LA [to na primeira temporada [ainda, é...]] e morrendo!
Não tenho dormido bem e faz tempo que eu não sei o que é relaxar! =/

Pra variar to gostando da pessoa "errada", como sempre! Me apaixono fácil, e isto é uma das coisas que eu ODEIO em mim! u.u"

Estou com vontade de largar tudo e ir viajar! =S Preciso desesperadamente de férias! E de um abraço bem forte! xD

Queria pedir desculpas para os meus amigos por ter sumidoooooooooo do mapa, eu precisava de um tempo sozinha, sabe como é né?! E agora eu estou sem forças de voltar a aparecer!

To com umas idéias pro meu outro blog "Ecos de uma vida", mas estou com preguiça [vê se pode!] de escrever!

Estou em crise de baixa auto-estima. E querendo desaparecer! =S

Pra quem não sabe, pretendo fazer vestibular de novo e desisti da minha faculdade [algo que eu não me orgulho por ter feito! Me sinto envergonhada de não conseguir seguir adiante]

Anywaaaaaaaaaay!!! De qualquer jeito eu só precisava desabafar!

See ya!

=*

sábado, 31 de julho de 2010

Músicas que marcaram!

Existem várias músicas que marcam a nossa vida...

Algumas delas:

*More Than Words do Extreme - Clássica música de casais... Usei a melodia dela e escrevi uma letra pro meu primeiro ex, o Paulo, gravei eu cantando, pus no mp3 e dei pra ele ouvir! Não posso ouvir essa música que lembro dele...

*Devil's Dance do Metallica - A minha música com o Guilherme, meu segundo ex.

*Hole in my soul do Aerosmith - É a minha música perfeita quando eu quero chorar a dor de levar um toco, representa o piá que eu mais corri atrás, Matheus.

*Enjoy The Silence do Depeche Mode - É a música que me representa a Pati, e de quebra, as esposas

*The Bard's Song do Blind Guardian - Representa o RPG, meus amigos em geral, gosto de ouvir ela sendo cantada por várias vozes-zes.

*Todas as do álbum Use Your Illusion 1 e 2 do Guns me lembram praia, e um certo grupo de pessoas [pq a gente só tinha aquele CD]

*As músicas do HIM me fazem lembrar da Lara e da Nara. E a que eu mais gosto é "Under The Rose"

*I stand by you da Cindy Lauper me lembra a Gabi [minha irmã] e da gente pirando na praia com essa música, fazendo coreografia e tals [tudo improvisado]

*Todas as músicas do Kiss me fazem lembrar a minha prima Fernanda xD

*Ela me faz tão bem do Detonautas me faz lembrar o Adhe.

*Fingi na hora rir do Los Hermanos me faz lembrar o Duh.

Acho que é basicamente isso, post dedicado [e copiado] à Nara! [Amo você!]

See ya!
=*

domingo, 18 de julho de 2010

Gaiel

Era tarde da noite, tinha uma lua cheia entrando pela janela da masmorra. Foi a única coisa que a despertou. Lilian estava lá, presa defronte há uma janela redonda com grades, e a luz da lua cheia iluminava todo o seu corpo. Ela estava suspensa por ambas as mãos que estavam presas no teto.

Ouvia os pingos de água caindo por toda a masmorra, ela estava semi-nua e toda molhada. A última coisa que ela lembra era estar na floresta ao entardecer e ouvir um grunhido. Aqui está frio e silencioso. Sentia o gosto de sangue na sua boca, devia estar machucada.

Lilian tenta pensar em outras coisas, sabe que gritar só atrairia quem a tenha prendido naquele lugar. Olha as coisas a sua volta imaginando como poderia escapar. Estava numa sala circular, a porta era imediatamente atrás dela, há alguns metros, tinha correntes na parede ao longo de toda a masmorra, 3 de um lado e 3 de outro, totalizando lugares para 7 pessoas, e ela estava bem no centro da sala.

Sente um frio na espinha, o mesmo que sentiu ao ouvir o grunhido na mata, alguém estava chegando... Sua intuição nunca falha, finge estar desacordada...

Uma pessoa entra... Caminha até ela, e a olha. Ela pára até de respirar. Conhecia o cheiro dele, era Gaiel, o mais temido entre todos os outros desta "raça". Ela já escapara uma vez, ele se asseguraria que não escaparia de novo, isto a fez tremer...

"Vejo que me reconheceu, Lilian! Você será minha escrava, como era para ter sido desde o princípio!" disse Gaiel.

"Prefiro morrer a ser sua escrava, Gaiel!" Lilian diz. Gaiel lhe dá um tapa no rosto, puxa o cabelo dela e a deixa a pouco centímetros de seu rosto e diz: "Eu não vou deixar você fugir de novo"

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Presente de aniversário! xD

Pode ser um simples esmalte [vlw Ci, Carol e Nara], um chocolate [como qqer um], um abraço, ou simplesmente um telefonema... Um bicho de pelúcia, um dado [de RPG], um VIP no Popmundo[Marcelo], um sorriso caloroso, uma sessão de fotos, uma festa[Bio Dementia, PleasuresIII], um desejo realizado[foi foda!], uma lasanha[ao molho fungi], um livro, um sonho, uma resposta, um encontro [ou vários], um desafio, uma tarde no MON[1- Fabi e May; 2 - Pati, Miro, Ci, Eros, Lara, Narae o Adhe que fugiu...], uma volta, um vinho, um absinto =x, uma absolut vodka de baunilha, ou uma música alta, um nome gritado, e até uma festa surpresa [ano passado, nunca esquecerei, vlw a todos], um chamego, um elogio, uma crítica construtiva, 10zão, intenção, vontade, se preocupar comigo, me fazer sorrir e/ ou rir que nem uma retardada, um parabéns cantado no meio do trabalho. São essas algumas opções de presente de aniversário.
*um e uma são apenas força de expressão, considere o plural sempre válido! xD

domingo, 4 de julho de 2010

Aline e o espelho...

Acordei em uma noite gelada, vestindo meu habitual pijama azul comprido de babados. Estava com muito sono e senti como se alguém estivesse me chamando baixinho. Achei que era invenção da minha cabeça e tentei dormir. Rola pra lá, rola pra cá. E a voz que me chamava era doce e suave, feminina, como em um sonho bom. Cada vez eu ouvia esta voz mais forte, mas eu não sabia distinguir de onde vinha.
Levantei no escuro e olhei pela janela: a lua estava cheia. Fiquei um tempo olhando para ela, que emitia seu brilho suave e iluminava todo o meu quarto, que era no sótão, em uma casa de madeira.

Nessa época eu estava no final da minha adolescência, e ainda mantinha meus cabelos cacheados e castanho escuro, a pele levemente morena, o olhar de gata.

A voz parou de me chamar, e isto me tirou do meu transe com a lua. Fiquei curiosa e comecei a procurar de onde vinha a voz tão melodiosa. Sempre procurei enxergar o que os outros não viam. Sempre defini as coisas com as minhas palavras inventadas.

Quando olhei pro meu espelho que estava iluminado pela luz da lua: eu a vi. Linda, com cabelos pretos e lisos, pele quase transparente e uma voz sedutora. Eu sabia que tinha chegado a minha vez. Foi assim que atravessei o espelho, em busca das experiências que me fariam ser como eu sou hoje...

sábado, 26 de junho de 2010

Contos da Vida Real - Parte 001

Oi, eu sou a Aline e você precisa me amar...


Faz MUITO tempo que isto aconteceu.
Eu estava passeando por um enorme jardim, cheio de flores, árvores e pessoas, sentei na grama em um lugar onde eu podia avistar o lago, sem mais problemas... Vejo um casal, Ah! Sempre tem um casal quando a gente está de mal com o amor...

Eu não lembro quem eu tava esperando, não lembro nem o motivo que eu estava no Jardim Botânico... Acho que eu estava sozinha e querendo ver coisas bonitas [e talvez esperando alguém]

Sempre brotam casalzinhos, eles saem dos bueiros, só pode! Só sei que de nada adiantou ficar ali, logo brotou casal dum lado e do outro...
Fui pra baixo das árvores, onde não tinha casal no meu campo de visão, deitei e dormi

Adoro dormir na grama♥

=*

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Dragão

E essa ansiedade que
invade meu peito
É fruto de você, que
não sai do meu pensamento

Eu que fugi e voltei
Esqueci e lembrei
Amei e esqueci
Mas estou aqui de volta

Um dragão sempre retorna
Ao lar onde guarda
Todos os seus tesouros
E o meu dragão voltou,
depois de muito tempo...



Eu poderia trovejar contra
Eu poderia ignorar
Eu poderia me entristecer
Mas estou feliz


Poderia gritar por dias e dias
"Eu senti tanto a sua falta"
Poderia fazer uma festa interminável
Poderia ficar paralizada de saudades
Mas eu te abracei e disse:
"Bem-vindo de volta ao seu lar"

Eu sou a sua riqueza,
Você é o meu dragão
Nos completamos
Nos amamos
Simples assim
Eu sou parte de você
Você é parte de mim ♥

~> Dedico ao meu pingente de dragão xD

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Cap. 8 - Mentiras...

"Não me pergunte do meu passado!" eu pensei. Relutante em me afogar em mentiras, mas não encontrando outra saída plausível, eu contei à ele:
"Eu perdi a memória... A única coisa que lembro é que meu nome é Mirella, por causa desta pulseira!". Que coisa! Aquela pulseira fora pagamento de um amante, e tinha o nome da esposa dele, mas eu gostava tanto dela!

"Mirella! Lindo nome!" Ele disse, e eu não sei o porquê mas este elogio me fez corar... Ele sorriu e parecia que queria me abraçar... "Você vai descer onde?" eu perguntei à ele. "Uma estação antes da Espanha, e você?" ele respondeu. "A primeira da Espanha!" eu disse. "Ei, você poderia descer comigo não é?! Te apresento meus amigos e alguns familiares! Qualquer coisa eu te reponho o dinheiro pra outra estação! Que tal?" ele perguntou.

Eu divago sobre as possibilidades... Enfim, era uma estação de diferença, eu poderia pegar outro trem... Matteo é sempre tão atencioso e caloroso que eu me sinto atraída por ele. Ele sempre ao meu lado, cuidando de mim, eu acho isso o máximo. "O mundo é feito de interesses, e eu me interessei por ele, pelo jeito que ele me trata" eu pensei. Eu queria acreditar que ele mesmo se ele descobrisse tudo, ele iria me aceitar, ele me daria amor, uma família e filhos! Eu poderia até ver meus pais de novo! Ah! Meus pais! Aprendi a viver sem eles na marra!

"Eu aceito descer na mesma estação que você Matteo!" eu disse empolgada. Ele sorriu tão calorosamente que eu me senti derreter. Aiai ♥
"Vou te apresentar pra todo mundo! Será muito legal!..." ele falou tanto que eu estava até tonta. Eu só sorria e concordava na hora certa.

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Sonho de conto

Conto rápido -> é um sonho que tive hoje, de verdade:

"Ela morava em uma outra era, estudava em um colégio que parecia Hogwarts. E todos os dias descia para onde tinha as aulas, e passava sempre por um lago.
Um dia ela quis saber o motivo que era proibido nadar e mexer na água... Pois ela queria muito mergulhar lá e se divertir...

Então, chegou perto da borda, ninguém sabia que ela estava ali. Mexeu na água e esperou, nada. Mexeu de novo e esperou: nada. Mexeu e quando seu Eu interior a advertiu que seria inútil e/ou perigoso demais, ela esperou.

Sentou-se em uma árvore na frente do lago e esperou um pouco. Foi quando viu uns movimentos na água e, com medo, saiu correndo. Mas ele era mais rápido que ela, e a alcançou a alguns metros. Ele disse que ela teria que encontrar um artefato para ele, e ela corria risco de vida...

Ele era forte e alto, muito mais alto que qualquer mago, tinha nadadeiras que sumiam quando ele estava fora da água. E marcas nas costas que pareciam que ali havia asas em algum ponto de sua vida. Era uma criatura mágica, ela podia sentir. E o admirava tanto, que em algum ponto de seu ser, ela quis ser igual a ele.

Ele a carregou por entre os corredores procurando pistas do seu artefato. Ela ia nos seus ombros, e se sentia pequena e altiva vendo o mundo daquele ângulo.

Uma dica lhe fora dada: embaixo do relógio, se encontra a besta. Ela pediu carinhosamente para ele lhe deixar um pouco... E encontrou.. 7 666... Não me peça pra explicar, mas lhe pareceu óbvio que era aquilo. Então ela procurou em um aparelho que parecia um video cassete, mas era um computador mágico. E encontrou uma figura. Ela só precisava encontrar essa figura, para conseguir a próxima pista.

Então, ela acordou, mas ela tinha certeza que tinha sido real, que ela já esteve com ele, o sereiano que roubou seu coração. Intimamente, ela não queria encontrar tal artefato. Só o fato de viajar com ele pelos corredores a deixava muito feliz. Ela queria mergulhar no lago e viver com ele, queria ser dele. Só dele."


Ela, era eu. Eu sei que isto é uma mensagem xD

Até o próximo sonho^^

See ya! =*

segunda-feira, 7 de junho de 2010

O meu jeito de amar...

Segundo o Personare:

Meu jeito é charmoso, inteligente, flexível:

Vênus em Gêmeos é a marca afetiva de Aline, o que lhe confere charme, além de uma notável capacidade de seduzir através da inteligência. Aline tem grande necessidade de comunicação em seus relacionamentos e precisa ter ao seu lado alguém que se disponha a dialogar, trocar informações. Prepare-se para muita conversa com uma pessoa que simplesmente não envelhece e que sempre tem uma história nova e fascinante pra contar!

Estar diante de uma pessoa com quem a vida dificilmente será um tédio é uma das vantagens deste encontro. Além de ser alguém que adora conversar e discutir o relacionamento! Por outro lado, insegurança, instabilidade afetiva e indefinições costumam atormentar a vida da pessoa que possui Vênus em Gêmeos. Uma dica é sempre surgir com um assunto novo. Aline, com Vênus em Gêmeos, ama estar ao lado de alguém que seja capaz de criar novos e constantes estímulos intelectuais.

Evite comentários impensados e atitudes rígidas, inflexíveis. Demonstre falta de inteligência ou mesmo preconceito em seus diálogos e você verá o tesão de Vênus em Gêmeos apagar-se como a chama de uma vela.


=*

sábado, 5 de junho de 2010

Ladina lvl 7

Pra quem não sabe eu provei ser uma ladina lvl 7 [segundo a Cinthia, eu diria lvl 1 e com um golpe de sorte... Anyyyyyway]...

Consegui tirar a bateria do celular da Lara com um grampo de cabelo que eu misteriosamente tinha dentro do meu penal [estojo]. Sim, tem de tudo na minha mochila, ainda não tem uma toalha [que me perdoem os fãs de Douglas Adams, mas eu providenciarei]

Eu me senti tão ladina! Aiai!

E ver todas aquelas pessoas reunidas me fez tão feliz! ♥ *.*

Amo vocês!

=*

sábado, 29 de maio de 2010

Obrigada

Obrigada minhas esposas lindas e maravilhosas por sempre estarem por perto!
Por me ouvirem, me escutarem, ou mesmo dar o ombro pra eu chorar...

Vocês são demais! Lindas, inteligentes, gostosas!

Obrigada por estarem no meu coração e não me deixarem eu me sentir sozinha!

AMO ♥ TODAS! Do tamanho do "univelson"

=*

terça-feira, 25 de maio de 2010

Cap. 7 - O seu nome é...

Ele olhou nos meu olhos e eu divaguei sobre qual é o nome dele: Ele definitivamente tem cara de Pietro, mas poderia ser Antonello... Devo ter ficado com uma cara curiosa ou autista, pois ele me soltou devagar e disse "Aliás, il mio nome è Matteo, prazer!"

Eu sorri e disse "Matteo! Que nome bonito!", ele sorri. E nesta hora eu percebo que os olhos dele são verdes, e acho que fico vermelha de empolgação. Desvio o olhar e procuro me distrair. Ah! Como ele é bonito, educado, gentil e preocupado. Nossa! Eu com um homem desses...

Devaneio com eu e ele casando na fazenda em que eu morava quando era menina, com toda a festa, com muito vinho e felicidade. Com certeza ele ficaria BEM como o meu marido... Então, lembro o motivo da minha fuga daquela fazenda e fico triste, ele não casaria comigo se soubesse da minha história. Uma rapariga, uma mulher da vida... Espero que ele NUNCA descubra! Será que eu deveria contar?!

Começamos a conversar sobre o tempo, a vida, os pássaros, vinhos... E descobri como era fácil conversar com o Matteo: ele falava, falava e cada vez que se empolgava falava mais alto. E a risada dele era grave e empolgada. Cada vez mais ele parecia mais forte e ágil que qualquer outro homem. Mais forte até que o Giovanni. Ah! Aquele cafajeste! Como eu pude me apaixonar por aquilo? Só porque ele me deixou louca ♥! Apesar disto ser um pouco difícil... Ele tem um ponto a favor dele, mas continua sendo um ragazzo muito vadio!

Me perco em meus pensamentos e quando volto à realidade vejo que ele está olhando para mim com olhos curiosos. Que fofo! Ele fala:
-E eu até agora não sei nada sobre você, fale!

Mentir ou falar a verdade?

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Continua em Mentiras

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Cap. 6 - O outro

Olhei rapidamente ao redor sem mover minha cabeça, todos estavam dormindo, PERFEITO! Não foi agora que eu percebi, mas o ragazzo era simples mas bonito e até onde eu tinha percebido, educado. "Esses são os que mais dão trabalho e são mais arrogantes..." eu pensei. Mesmo assim, ele parecia ser uma pessoa que acrescenta na nossa vida, sabe?!

Assim senti o desejo de me encostrar sobre o seu ombro. No final, era só mais um ombro... Um alerta cresceu em minha mente "HOMENS NÃO PENSAM ASSIM!". Penso, quase alto demais, "relaaaaaaaaaaaxa, eu sei o que estou fazendo". E minha mente silenciou, tentando acreditar nas mentiras que estava dizendo pra mim mesma...

E assim, foi tão automático que eu me surpreendi por descansar a minha cabeça nos ombros dele, me empolguei e quase entrelacei meus dedos nos seus... Mas eu consegui me controlar, pois entrelacei as minhas mãos. E adormeci rapidamente, com aquela sensação de não estar sozinha no mundo.

Quando eu acordei, senti o calor de sua mão envolvendo a minha mão e a maciez do seu cabelo castanho e liso sobre as minha bochechas. Por dentro eu estava sorrindo, mas fingi ainda estar dormindo. Eu queria que aquele calor nunca sumisse... Assim, rápido demais, vieram as memórias dele e eu me senti a ponto de desabar, fiquei em estado de choque, não conseguia chorar, fechei os olhos e quando eu abri percebi eu estava quase no chão. Olhei pro ragazzo que tinha se sentado ao meu lado, ele estava me segurando e me olhava preocupado. Ele me pergunta: "Está melhor?! Você quase desmaiou!", eu fico nervosa e começo a chorar... "Como eu sou idiota! Eu quase desmaio por causa de um idiota" eu penso e soluço enquanto as lágrimas escorrem copiosamente dos meus olhos.

O ragazzo me abraça e isso me acalma, "está tudo bem, eu te segurei" ele diz enquanto afaga meus cabelos agora soltos. "gra... zie" é tudo o que eu consigo dizer enquanto sinto o cheiro amadeirado do perfume do ragazzo, e eu nem sei o seu nome...

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Continua em O seu nome é

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Cap. 5 - A viagem

Mais ou menos um mês depois, era final de tarde, e eu saí na surdina pois eu não queria despedidas. Eu cheguei a trocar algumas palavras sem propósito real com ele, assim como "Como vai?", "Quando viaja?", "Como está a sua mulher?". Nada que eu disse foi o suficiente para transparecer o meu real desejo de fugir, tanto da máscara, quanto dele e do que eu não queria sentir.

Chego na ferroviária e pego um trem meio vazio... Foi por isso que escolhi viajar ao meio-dia. Nada de trajes refinados para a viagem para não deixar transparecer quem eu costumava ser. Apenas um vestido simples de algodão cru, com uma cor de velho e um chapéu tosco, algo que achei suficiente para não me reconhecerem. Eu estava sem a máscara pela primeira vez em público e assim parecia uma forasteira. Me sentei no lugar mais longe possível das pessoas, no fundo do vagão e do lado da janela.

Coloco minha trouxa de roupas entre as minhas pernas, protejo o rosto do Sol e penso nele:

"A brisa bagunçava levemente os cabelos das pessoas, ele sorria, eu olhava pra ele com aquele olhar de apaixonada, totalmente horrível, boba, idiota de tão apaixonada. Ele estava conversando com os colegas de trabalho dele na praça principal desta cidade ao norte de onde eu vim. Enfim, eu vou fugir de novo. Ele ri de um jeito agradável, me faz sorrir por dentro..."

Acordo em uma das estações, tem um ragazzo pedindo se poderia se sentar ao meu lado. De cara fechada eu olho ao redor e constato que não existem bancos vagos além do meu. Com uma expressão fria eu digo à ele: "Pode se sentar", faço uma cara com um misto desprezo e ameaça, e ele segura o riso e finge que tosse, sentando-se ao meu lado sério... Eu só queria que ele não falasse comigo! Queria ficar invisível! E me perco em meus devaneios...

Até que acordei e percebi que o ragazzo estava quase dormindo nos meus ombros...

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Continua em O Outro

Cap. 4 - Planos

Sempre o observava de longe, e me parecia que ele estava muito ocupado com a mudança. O fato era que ele correspondia cada vez menos aos meus olhares, e não me visitava mais, só os quartos das outras mulheres.

Passei um tempo sem comer e sem dormir direito, eu estava prestes a me desmanchar. Até que isso começou a afetar o meu trabalho, e, meu chefe me chamou para um canto e disse seriamente: "se cuide mulher ou eu terei que colocar outra, de preferência MUITO MAIS jovem, no seu lugar!". Absorvi o que ele me disse, mas essas palavras me ofenderam de tal maneira que eu sabia que não poderia continuar naquela cidadela de merda por muito mais tempo.

Já era quase noite e eu estava andando na rua quando ouvi o comentário entre um viajante e um homem da cidade que precisavam de uma mulher para ser cantora em algum lugar da Espanha. Então, arquiteto e coloco em prática o meu plano. Vendi algumas jóias que ganhei de alguns clientes ricos, outras eu iria levar comigo, algumas das falsas eu usei como presentes para minhas amigas. Tudo transcorreu como o planejado e eu sentia que meu plano era perfeito, eu iria para algum lugar longe, o quão mais longe eu fosse era melhor para mim, e eu iria sozinha. Não pediria pra nenhuma de minhas amigas ir comigo, e mesmo que eu pedisse provavelmente elas não iriam.

Só eu sei o quanto eu sofri por ele não gostar de mim. O Giovanni não ia "me deixar"... Todas as poucas noites que passamos, todos os olhares, era só luxuria. Mas eu confundi tudo, me perdi nos meus devaneios, desejei ser a mulher dele mesmo que eu tivesse que aguentar todas as traições. E assim eu estaria com ele, ao lado dele, teria um filho dele, sentiria o calor do seu abraço depois de uma viagem, eu seria dele, ele ser de todas era apenas um detalhe que eu relevaria...

Mas eu decidi deixar ele, enterrrar a lembrança dele naquela cidadela de bosta. Sempre foi tão fácil esquecer ou ignorar as "paixonites" da minha vida, por que agora seria diferente?

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Continua em Viagem

Cap. 3 - Revelações

Eu agradeço por aquele dia ele não ter sido tão carinhoso quanto da primeira vez. Sim, eu fiquei triste por ele ter se levantado e ido embora com tanta vontade, sem nem se despedir direito. Mas, ele tinha que ir embora... E eu fico aqui pensando: Nós dois juntos é o retrato do desejo transbordando...

O desejo, na minha opinião, é algo que anda de mãos-dadas com a paixão e ainda saltitam alegremente por aí, brincam de se esconder e no fim, adormecem juntos. Eu não queria me apaixonar, essa era a minha posição naquela época. Eu faria qualquer coisa para manter essa decisão...

Passara um tempo desde aquele dia, e o Giovanni não me visitou. Eu entendo que ele tenha mulher, filhos e um emprego a zelar. Mas ele sempre visitava todas as mulheres que ele conseguia, e sempre repetia as que ele gostava mais. Foi assim com a minha amiga Paola, e ela se apaixonou por ele, ele visitava-a sempre que tinha um tempo, até que o relacionamento extraconjugal esfriou e ele trocou de preferida. Foi assim também com algumas outras amigas minhas aqui de onde moro. Eu já tinha decido esquecer ele.

Era um dia de verão, e apesar do barulho das pessoas nas ruas insistir em me atrapalhar eu consegui dormir. De repente ele entrou no meu quarto como se não fizesse muito tempo desde aquele dia, me abraçou e disse que teria que iria embora logo, porque tinha arranjado um emprego melhor em outra cidade. Eu não pergunto nada e ele continua falando mas eu não ouço. Naquela hora eu só queria pular nos braços dele e pedir pra ele ficar comigo, me levar junto, qualquer coisa menos me deixar, mas eu não tinha tanta importância assim pra agir como eu queria...

Me despedi dele friamente, "era assim que tinha que ser" eu pensava. Dou um beijo de leve nos seus lábios e caminho lentamente com ele até a porta. Ele sai e não olha para trás, eu o observo e me sinto um lixo. Viro as costas, fecho a porta e sento no chão, queria gritar e chorar, espernear se fosse preciso, mas fiquei olhando para a janela com olhos marejados, eu tinha que ser forte. Eu não posso me apaixonar assim... Mas já sei o que eu vou fazer!

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Continua em Planos

Saudades do convívio! *.*

Heeeeeeeeeeey ya!

Como estão?

Pois é! O tema hoje é saudades! Sabe, as pessoas que a gente convive em certos ambientes, meeeeeeeu, pqp, como fazem falta!

Um abraço, um sorriso, brincar de capoeira ou de lutinha, zuar com os amiguinhos, rir do Dance boy, ir se batendo na fila do RU por causa dos fuscas, convocar regras obscuras quando você tá autista e não viu tanto fusca quanto a galera! [ex: fusca vinho, "onde?", tomei!], jogar RPG, inventar filme, nunca fazer o filme xD, criar histórias, passar tédio todo mundo junto... Eu queria ficar mais uns 10 anos só assim =D

É tudo tão: de casa pro trabalho, do trabalho pra casa... Só finde que é de casa pro Blood xD Aliás, poderia SER sexta já! Nope, amanhã não vale, tinha que ser hoje, to cansada! =p

To com saudades de todooooooooooooooooooooos da facul...

Se pá eu broto lá! hfuidshfdusiahfdsiahufdisahfdisahfdisa

See ya!

=*

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Cap. 2 - Aquele dia...

Aquele dia ainda era cedo e eu queria dormir. De repente, ele abriu a porta com pressa e disse numa expressão séria: "Quero dormir", enquanto deitava ao meu lado na cama...

Eu não esperava tal acontecimento, ele, Giovanni, de traços fortes e ombros sempre aconchegantes, eu o desejava mais que tudo. "Por que ele veio aqui?", "Ele ainda QUER dormir?", esses e tantos outros pensamentos passaram pela minha mente rápido demais e eu já estava tonta de tanto pensar... Foi quando senti o cheiro do cigarro, o mesmo da primeira vez, e meu coração disparou. "Ele ainda quer só dormir?" eu penso. Ele estava testando o meu auto-controle, só pode ser!

Me mexo, ele se mexe. Tento me concentrar no som da noite, mas o barulho dos grilos e cigarras me incomodam. "Ele realmente quer só dormir?" não consigo pensar em outra coisa... Assim, eu o provoco, quero ele inteiro pra mim de novo, ele corresponde rápido e foge. Tento de novo. E de novo. Canso. Viro pro outro lado. Ele me provoca, eu finjo que estou dormindo, mas me viro de barriga pra cima. Ele encosta oo seu nariz no meu, respirando compassadamente, enquanto acaricia o meu pescoço. Isso é tortura! Eu não me aguento mais... Mas ele sabe que eu gosto... Ficamos assim até o desejo atingir seu ponto máximo. Eu beijo ele e o puxo pra mim... Enrosco meus dedos no seu cabelo curto perto da nuca, e me entrego...

Ah! Aquela noite! Aquele dia amanhecendo! O jeito que ele me inflama, é incrível... A nossa noite! Acho que nunca tinha sentido tamanho prazer. O que era feito de gelo dentro de mim derreteu: o desejo, a satisfação, a adrenalina,... Só houve uma coisa que não derreteu por inteiro: o gelo que recobria a paixão. E isto só aconteceu porque este fogo estava dentro de um vidro que continha nada menos que meu coração. Eu não ia entregar meus sentimentos...

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Continua em Revelações

terça-feira, 18 de maio de 2010

Cap. 1 - Hoje...

Atualmente não me olho no espelho da mesma maneira, aquela que vejo não sou eu, é a minha máscara. A qual coloco todos os dias... Eu não escolhi essa vida...

Anoitece e eu conto até 10 mentalmente, respirando fundo:
UNO
Eu não sou mais eu, visualizo a minha máscara.
DUE
A vida que eu poderia ter não existe mais.
TRE
Eu resisti.
QUATTRO
*Silêncio*
CINQUE
Eu ainda resisto.
SEI
Perdi a noção do tempo.
SETTE
Pra que resistir?
OTTO
Não tem mais volta.
NOVE
Assim surgiu a máscara.
DIECI
Agora não sou eu.

Enquanto uso a máscara, ajo naturalmente, ou é assim que parece. E é fácil para mim estar aqui, afinal, não sou eu. Lembro daquele dia, não faz muito tempo: aquele beijo, o desejo, a ânsia por se satisfazer. Faço o meu trabalho pensando nesse dia, e fica tudo mais fácil pra mim. Eu sei, se acontecer de novo é fato: eu vou me apaixonar...

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Continua em Aquele dia...

Introdução - Anna Eve

Ciao

Eu sou Anna Eve, nasci no começo do século XIX em um lugar longínquo nas terras sulistas da Penísula Itálica. Meus pais eram agricultores e muito radicais no modo de ver a vida e a religião. Eram fervorosos e plantavam uvas que não eram as melhores da região, mas não eram as piores. Eu trabalhava no campo, trabalhava em casa, ajudava sempre que necessário. Uma menina tímida, fofa e esforçada.

Tenho cabelos castanhos escuros e olhos verdes, pele branca e macia que ficou levemente morena com o trabalho do campo. Eu tinha 16 anos quando aconteceu. Nunca mais retornei pra minha casa. Aquela casinha simples, onde todos adoravam o vinho que produzíamos, e era difícil vender, pois era difícil sobrar algo...

Eu sinto saudades desse tempo, quando eu ainda era inocente e acreditava na vida com uma espécie de fé sem fim. Eu sabia que o meu tempo chegaria, mas eu não sabia que aconteceria algo tão trágico...

Posso dizer que fui vítima da vida, mas eu também tive culpa. Nunca me ensinaram que eu não deveria ser tão crédula e inocente. Eu não sei como consegui superar, não sei se superei. Aquele dia foi o início de uma jornada e eu sinto muito... Me perdoe pai, me perdoe mãe, me perdoe família eu tive que partir...