_______________________________________E se esvai no momento seguinte...

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Cap 13 - Dor

Viajando de trem eu me sentia livre, há muitos lugares para descobrir, pessoas. Por mais que a sensação de simplicidade me invadisse com os cenários arrebatadores, plantações, criações de animais. Só havia um sentimento que eu já estava acostumada e considerava parte de mim: dor. Com ela eu estava solitária, mas ao mesmo tempo fazia sentir uma comunhão comigo mesma que era inegavelmente forte. Ninguém me manipularia, ninguém ultrapassaria os muros fortes e sólidos, com bases firmes que criei em mim. Criatura da noite, podia mudar de vinho para água em dois segundos. Por mais que eu me deixasse levar, era eu que tinha o comando, por mais que no fundo eu quisesse encontrar alguém que fosse tão teimoso quanto eu. Alguém que seja tão manipulador quanto eu... Alguém que não existe, esta é a simples verdade.

De qualquer forma não acredito nos contos de fadas, não acredito que eu possa ser feliz. Existe algo dentro de mim que grita 'PERIGO!' toda vez que alguém se aproxima demais, toda vez que alguém consegue ler meus pensamentos debaixo da minha face impenetrável, através dos meus olhos.

Sou feita de fibra forte, casca dura e interior mole como um pêssego em conserva. Quem me conhece profundamente sabe... Por outro lado quem me conhece a tal ponto de saber que quando eu digo um não às vezes é um sim? Quem saberá que quando eu mais recuso proximidade é quando eu mais preciso de um abraço para não quebrar? Quem? Não existe.

E acompanhando a dor, outro sentimento comum para mim: solidão. Claro, eu afastava todos! Mas eu não conseguia mudar, confiar em alguém novamente? Muito difícil! Talvez se for alguém tão estragado quanto eu... Alguém que viva à margem, à sombra da sociedade, mesmo que no cotidiano esteja inserido em partes importantes, existe algo dentro de nós que se não cuidarmos simplesmente quebra.

Então, me sentindo quebrada, dolorida e sozinha no mundo: me vi chorando novamente. Como se fosse resolver algo, como se tudo pudesse mudar na próxima estação, como se eu tivesse chance de ser feliz de volta. 'Não há solução, você sabe' me dizia uma voz dentro de mim, 'Ainda há esperança! Não desista!' dizia outra voz dentro de mim. Não resisti e quando percebi já estava onde eu mais gostaria: no mundo onírico...

domingo, 25 de novembro de 2012

Cap 12 - Máscara

O tempo passou e Damian estava de casamento marcado, meus planos foram por água abaixo e eu apenas o ignorava, mesmo porque nada havia acontecido entre nós além de uns olhares repletos de desejo. Mas eu  não era a opção principal, mais uma vez eu estava marginalizada. Quem iria querer alguém com um passado tão sórdido? Sei que carrego o peso do que aconteceu no fundo do meu olhar, posso aparentar a melhor pessoa, mas no fundo eu sei que eu não sou. Sei cada defeito, cada escolha errada e posso enumerar as vezes que fugi para tentar me preservar embora elas sejam numerosas. Necessariamente eu me tornava cada dia mais distante enquanto vestia a máscara que me protegera tantas e tantas vezes, a frieza de fingir que sou quem eu não sou.

Eu não seria uma segunda opção, não seria o ser desprezado e jogado em qualquer viela ou vala em que eu coubesse. Nunca me contentei em jogar só por competir, meu objetivo sempre foi ganhar e só entrava em jogos e apostas que eu sabia que isto iria acontecer. Mesma coisa competir por homem: desnecessário, dificilmente eu não conseguia quem eu queria, mas também, aqueles difíceis é que atraíam o meu fascínio mais intenso, que corroíam o meu ser e me faziam perguntar: 'porque não?'

No fundo eu não queria partir, mas eu precisava sentir o vento da tempestade modificando significativamente a minha vida. Não pela primeira vez eu me vi correndo pro lado oposto dos meus desejos. Se queria um, corria pra outro. Se queria ficar, fugia. Era um padrão que eu  entendia porque existia e não conseguia quebrá-lo, pois não conseguia admitir para mim mesma quanto mais para os outros. Tudo estava milimetricamente planejado para a minha próxima fuga: a hora, o dia, quais roupas eu iria levar, as palavras que seriam necessárias na carta de despedida para a família. E é claro, o bilhete para o Damian, onde obviamente eu diria o quanto eu sentia muito por matar algo que nunca começou efetivamente, mas não. Não escrevi este bilhete, afinal que tudo ficasse subentendido, seria mais fácil de esquecer: dele me esquecer. Pois o contrário seria praticamente impossível. Não pela última vez eu fugi, na bagagem só precisava de uma coisa: máscara.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Sê loucura, cura.

"Um segundo, um olhar, um beijo, um sussurro, um sorriso...

Dois segundos, tensão no ar, uma decisão.

E assim instantes se transformam em sonhos e sonhos em realidade. Nada como imaginei, pouco como quis, tudo o que desejei de forma que nunca pensei. Destino.

E de repente desejos são substituídos por outros, e quando realizados por outros.

Nem sempre parecidos, nem sempre com o mesmo alguém.

Let it be. Let it rain.

Como chuvas que vem e que vão quando mais ou menos esperadas. Você chega. E você vai.

E eu vou também, sempre vou. Facilmente eu diria. E quase tão fácil eu volto, quando eu quero, quando eu já esqueci o motivo que me fez partir, ou até mesmo, quando todos os motivos não tem a razão de existirem mais.

Pois tudo muda e eu também. Venho e volto quando me convém.

Discursos longos sobre problemas me cansam, e distâncias longas também.

Quero-o perto, hipnotizado, dependente. Quero lhe usar. Destino. Desatino.

Loucura. Cura. Secura. Cura. 
Sê loucura, cura.

E acordo no meu mundo real."


















Todos os créditos da figura acima para Alex Grey.

Bom dia!

See ya! =*

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Boa noite

Olá, tudo bem?

Então, venho por meio desta falar sobre absolutamente nada de importante como se fosse a coisa mais importante do mundo! BRINKS!
---

Recomeçando:
----
Era uma vez...

Não não não não!
----

Boa noite!

Tentei escrever o que está aqui dentro, o que de repente passou pela minha cabeça e eu decidi compartilhar, mas como nem tudo é perfeito: eu esqueci o que ia dizer!

De qualquer maneira seguem as palavras chave da minha vida atual: Ovolactovegetarianismo; RITMO; TT; ArcGis; andar³²¹³²¹; ilha; mel; TT [sim, novamente!]; ansiedade; barraca; feriado; 16 dias; bungee jump; fim da greve.

Fim do post.

Namastê e obrigada pelos peixes do inverno que está chegando [mas nunca chega!]

domingo, 22 de julho de 2012

Cap. 11 - Despertar

Não fazia sentido eu querer a companhia daquele ragazzo misterioso que me ignorava toda vez que eu chegava perto demais e que consumia meus desejos mais profundos quando me tratava com toda a polidez possível, pois tornava-o distante e eu reagia querendo trazer ele para perto, para dentro do meu coração, torná-lo parte de mim...

Justo meu coração que foi machucado, maltratado, abusado, feito em pedaços tantas vezes, mais vezes ainda remendado. 'É só mais um desejo masoquista' eu repetia em meu íntimo tantas vezes quanto fosse necessário para me convencer que esta história nascera de um engano. Damian era para mim o desejo vivo de um amor perfeito, daqueles de livros românticos e páginas açucaradas que me fizeram cair nos mais profundos confins de minha alma e me tornaram este ser marginalizado que sou hoje, e pior, escondo isto de todos que me abrigaram tão fraternalmente nesta casa.

Certo dia eu tive um sonho tão real, onde o personagem principal era o Damian. Passamos horas, dias, meses e anos olhando um pros olhos um do outro, depois ele me levantava e me jogava nas nuvens enquanto subia comigo ao alto da montanha mais alta, tapete de nuvens. Foi algo mágico, inexplicável, parecia que eu o conhecia de outras vidas... O sonho continuou e continuou, e eu só queria que ele não acabasse...

Mas era apenas um sonho e eu acordei, e nada tinha mudado lá fora, aqui dentro sim: eu desisti, não pela primeira vez.

quarta-feira, 4 de julho de 2012

Sonho Looooooongo

Sonhei que eu estava em uma casa que tinha um só cômodo, onde todas as coisas da casa ficavam na parede, e moravam muitas pessoas juntas. Eu tomei banho dentro de um armário [?] e um dia teve jogo de futebol e esta casa ficava do lado. Então, um jogador invadiu a casa e quis bater em alguém mas acabou expulso.

Outro dia, quase todas as pessoas tinham ido viajar e ficaram duas gurias terminando de se aprontar que elas iam em uma festa.Nesta hora parece que estou assistindo um filme, com uma cena daquelas meio longe, como se alguém tivesse observando as gurias se arrumarem. E a próxima cena é de um cara segurando a boca de uma delas.

No dia depois a mãe e a tia destas gurias aparecem na casa que as meninas estavam, e do portão, que era alto tipo aqueles portões de cemitério, percebem algo diferente: a casa está difer... Oh! A casa está queimada, com apenas alguns pedaços em pé [e se mudou pro MEIO da cidade, detalhes]. As duas, nesta hora, ao invés de ficarem desesparadas esboçam sorrisos falsos e conversam do lado dos restos da casa algo como:
"Será que elas estão bem?" a outra repsonde "Acho que sim, se tivesse acontecido algo elas teriam avisado, a casa deve ter sido queimada depois que elas saíram", mas ambas sentiam que havia uma sensação sinistra no ar... Ambas combinaram o próximo passo sem saber que estavam sendo ouvidas pelo vilão da história: Stenio Garcia [também conhecido por Bino, procurar dentre os atores globais] que estava sentado dentro do resto da casa, ouvindo tudo e pensando no próximo passo que iria fazer com suas prisioneiras, as duas meninas.

Depois disso eu estava de volta na casa do lado do campo de futebol e tinha um piá [garoto] loiro cabeludinho que estava atormentando a minha paciência, e daí eu expulsei ele com uma pá na mão... E ele ficava argumentando comigo e eu "sai daqui, vai pra casa, xô!". Não sei pq mas entramos na casa de uma vizinha que não estava lá... De repente entrou outra vizinha na casa-sala com uma arma e apontou pra mim, sentamos na mesa e ficamos discutindo: "pois você não pode ameaçar uma CRIANÇA na minha frente e sair ilesa" dizia a vizinha, e eu respondia "eu não ia realmente BATER nele, só queria que ele fosse embora e parasse de encher o saco", e assim continou o bate-boca, ela me acusava e eu me defendia quando percebi que minha pá tinha virado uma arma de fogo! A vizinha super-protetora me desarmou e eu peguei a arma dela e olhei: não tinha munição! E fiz a única coisa lógica: ri na cara dela de sua burrice. Ela ficou muito brava comigo, tirou a arma dela da minha mão, colocou UMA bala e me devolveu [?]. Depois disso ela continuou a me ameaçar, desta vez apontando a arma pra mim como quem fosse realmente atirar, me escondi usando a mesa como escudo e cansei desta situação: levantei a cabeça e atirei!

Depois disso foi muito estranho, era como se eu tivesse congelado a mulher a bala ficou presa na direção do coração, entrou na carne mas não atravessou e ainda dava pra ver a parte de trás da bala. E assim, com ela de um jeito que parecia morta mas não sei se realmente a tinha matado que o sonho terminou.

PS1: Não usei nenhuma substância ilícita ou lícita antes de dormir!
PS2: Eu estava com FRIO [de verdade]
PS3: Playstation 3, aceito!
PS4: Eu R-E-S-U-M-I

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Junhoooooooow não termina nunca!

Bom dia,

Este mês foi corrido demais e muitas coisas mudaram. Umas das que eu mais sinto falta de como era antigamente é a presença da Flávia como minha chefa, sim, me chame de puxa-saco. Mas era ela quem me ouvia de manhã. E quem me conhece sabe como gosto de hiperbolismos, exagerar na medida [?] para passar a sensação que quero pros meus ouvintes/ espectadores/ leitores[?]. Sinto uma falta abEEEEEEsurda da minha mestra. Mas é isso, o mestre se vai e o aluno evolui [ou não].

Outra coisa foi que consegui largar mão de ser retardada e gostar de quem não gosta de mim^^ Evoluções né?!

Outra evolução foi comparecer ao aniversário da Pati que por conta dos meus Infernos Astrais anteriores eu estava impossivelmente chata =P O que resultou em pessoas legais que conheci.

Tive crise adolescente [emo] bem mané mesmo... Mas passou! Comecei a fazer exercícios físicos, dei uma parada pois falta energia pra me MANTER ACORDADA! Vai ver eu tô "adiantando" o sono pro dia 07/07 pois eu vou viajar! Vou pra Tribe em Campinas, e será uma viagem... Se é que você me entende^^ Contagem regressiva pro melhor dia do ano! Faltam 8 dias! =D

Hoje teve Arraiá aqui no meu setor e foi super bom [comida de graça = lombriga feliz]. E, por sua vez, lombriga feliz é vida!

E com este clima de "barriga cheia [de verme]" termino este post inútil =P

See ya! o/

terça-feira, 5 de junho de 2012

Sonhos... Desabafos... Pudim!

E qual será a verdade que você esconde por baixo desta pele de pessoa normal? Qual é a loucura que nos leva a nos esconder de nós mesmos? Temendo o próximo passo, temendo as próprias escolhas... Conquistar impérios, voar no dorso de um dragão... Eu nasci para uma vida de livros fantásticos, imaginações férteis, histórias de guerras. Valar morghulis, quem sabe em outra encarnação eu nasça apenas uma história, alguns livros, quiçá até um seriado de renome internacional.Qual é a sua loucura? Qual é a sua pira? Qual é o sorriso que te faz sentir vivo[a]? Qual o abraço que te faz se sentir menos sozinho[a]? Quais as pessoas que povoam seu dia com "bom dias e mensagens de 'auto-ajuda'" e que fazem realmente seu dia ficar mais leve o o ânimo revigorado? Quantas pessoas trabalharam para você de forma indireta ou direta, hoje, ontem e amanhã? Só tento dizer as pessoas o quanto elas são importantes pra mim porque simplesmente existem e principalmente mais ainda quando fazem parte dos meus dias úteis e até mesmo nos dias "inúteis". Quantas te dão a dose diária de felicidade que você precisa?


Foi em um sonho meio acordada que percebi que eu precisava passar por você, por esta fase. Por tudo. Mas no fim me vi desejando que nada tivesse acontecido, que minhas esperanças tivessem apenas morrido na praia antes de navegar pelo mar da indecisão. Prefiro um fim do que uma incerteza que corrói por dentro, destruindo aos poucos os sonhos que nunca deveriam ter sonhados. Mas faz parte, é parte do processo de melhoramento. E mais uma vez eu escolho fugir e me agarrar na minha convicção que eu vou esquecer, que vou substituir a realidade que não quero pela realidade que escolhi: que tudo não passou de um sonho simplesmente e nunca irá acontecer de volta.


Sinto falta dos meus amigos/colegas e faço que sei fazer de melhor pra me proteger da falta deles: me isolo cada vez mais, me fechando no meu mundo fechado, me sufocando para ver se acelera o processo, tudo o que eu queria é que sentissem tanto a minha falta quanto sinto a de cada um que é importante pra mim. Quando na verdade a única coisa que cura tudo isso é a presença dos meus estimados.


Vou terminar este post aqui. FIM.

sexta-feira, 25 de maio de 2012

domingo, 13 de maio de 2012

Cap. 10 - Florescer

Damian era o típico cavalheiro da armadura dourada com cavalo branco que todas as meninas um dia sonham em ter, com o simples detalhe que ele não tinha armadura e seu cavalo: castanho. Aquele ar de mistério, sua educação e [porque não dizer?] aquele ar de desprezo e sonho, como quem busca algo inalcançável, como alguém que é difícil de conquistar somente com as palavras doces e os gracejos certos. Aquele alguém que...

De repente um raio me fez voltar para a realidade, eu mal sabia quem era aquele ragazzo, mal sabia o calor do seu olhar, mal sabia... Levantei-me, me arrumei simples mas com um sorriso diferente no rosto. Mal sabia... Abro a porta do quarto e quando saio para o corredor simplesmente esbarro com tudo em Damian, com um sorriso sem graça eu peço desculpas e digo bom dia para ele que simplesmente responde e continua andando. Tal fato é interpretado por mim com um desprezo, e eu passo o dia a pensar que eu poderia ter feito para este ragazzo ter este comportamento comigo? Polido e reservado, com olhos que desviam para a Lua quando passam perto de encontrar meus olhos de novo.

Fui passear na cidade, ver as pessoas com uma das irmãs de Matteo, Mircella e vi Damian conversando animosamente com mais dois ragazzos, contando aquelas histórias mirabolantes dele... A irmã mais nova de Matteo quis ir lá então a levei. Ela correu para abraçar o primo achando graça de tudo. E foi então que nossos olhos se encontraram de volta, eu me limitei a sorrir, cumprimentar e abaixar a cabeça com vergonha, e pela primeira vez era uma timidez de verdade...

>>>
Não conseguia tirar Damian da minha cabeça e comecei a inventar as mais improváveis histórias todas terminavam conosco como um casal, aproveitando a vida em diferentes locais. Comecei a seguí-lo pela casa tomando o cuidado de não ser vista, se bem que por diversas vezes não consegui. Todos perceberam que eu estava diferente, tratava-o de uma maneira especial, olhava-o como se ele fosse o último homem a andar sobre a face da Terra...

segunda-feira, 30 de abril de 2012

A menina da capa laranja

Era uma vez uma menina de olhos dourados e cachinhos negros, pertencia a um povo há muito esquecido do Hemisfério Sul e estudava para ser uma sacerdotisa. Vivia no longínquo Monte da Lua Vermelha, que ficava na cadeia de montanhas de Dornfall.

Certo dia, enquanto percorria os arredores do templo onde orava, ela notou algo diferente enroscado em uma árvore, em uma trilha pouco utilizada. Aproximou-se lentamente com um certo receio e encontrou uma capa de viagem, dupla face, um lado era laranja e outro era preto. Curiosa, ela jogou a capa sobre os ombros com o lado preto encostando em sua pele, ou seja, o lado laranja era visível a milhas de distância.

Logo que ajeitou o capuz, uma alegria incomum a invadiu: sentiu vontade de brincar, dançar, se vestir de flores, sorrir e espalhar amores. E foi isto que fez, começou a caminhar até a aldeia mais próxima, depois outra, depois a que se encontrava mais além... Espalhou felicidade para todos nas mínimas coisas, criaram lendas para tamanha bem aventurança até os confins do mundo.

Mas a curiosidade não a abandonara assim tão facilmente, em  uma noite de lua nova perto da chegada do inverno ela decidiu experimentar o outro lado da capa de viagem...

domingo, 29 de abril de 2012

Sonho 016558436473746998


Esta noite eu tive um sonho:
Primeiro eu estava com uma camisola de seda vermelha bem simples, que era grudadinha até a cintura depois ficava larga e ia até metade da coxa, andava dentro de uma república e cheguei de noite.
Um amigo meu tentou me beijar e eu falei: "piá, você tem namorada" e não deixei ele me beijar.
Nesta república morava uns piás da faculdade mas não citarei nomes. Fiquei perambulando por lá, estava escuro, de noite.
Saí da república depois de ter trocado de roupa, e não encontrava a entrada do lugar, era tipo um prédio com um subsolo estranho, então subi uma escada que estava super alta, quando cheguei lá em cima a escada começou a balançar, fiquei com medo e fechei os olhos, quando vi estava dentro do lugar e era um labirinto e um cara me guiou para a entrada da república de volta, então dormi lá e no outro dia tinha aula se eu não me engano. Bem pira.

terça-feira, 24 de abril de 2012

Cap. 9 - O Retorno

Sinto escrever após tanto tempo mas eu realmente vivi uma vida diferente com o Matteo, ele me tratava como uma princesa, e eu nunca antes tinha experimentado isto de fato pois eu só fingia que era a princesa. Mas com o Matteo não era assim, eu era a princesa com lábios carmesim. Quando chegamos na estação ele logo foi contando de toda a família, monólogo este que particularmente não lembro, mas era algo como "minha tia tem o costume de perguntar todos os pormenores, meu amigo Micaelo fala pelos cotovelos, a minha sobrinha deve estar com 2 anos já...", ou seja, uma overdose de blábláblás que eu fingi que ouvi e sorri com os olhos toda a vez que era necessário uma manifestação minha.

Conheci a família e ele me apresentou como se eu fosse alguém respeitável, mal sabia ele da minha vida... Depois de tantos acontecimentos, tudo o que passei eu estava ali, como se eu fosse parte deste mundo.
E só eu sabia que eu não era, sabia que por mais que eu estivesse vivendo o sonho da minha vida com o Matteo, sendo a donzela, sabia que uma hora tudo iria acabar, desmoronar e eu teria que me mudar por dentro e por fora mais uma vez.

Todos foram muito amáveis comigo, e para falar a verdade eu consigo cativar as pessoas de um jeito estranho. Como se eu sugasse sua alma aos poucos, me alimentando e vendo a outra pessoa definhar pois eu mesma já morri naquele dia. É tudo parte da encenação.

Passei dias lá com eles, dormia no quarto das meninas e me vestia lindamente. Matteo me levava para passear, e assim os dias passaram. Foi em uma manhã de domingo que ouvi um alvoroço na casa, com vozes alteradas. Era Damian, primo de Matteo que chegara de viagem, cumprimentei-o formalmente após todos da casa darem abraços e beijos nele, um ragazzo de estatura média, beleza média e que sinceramente não simpatizei, mas ainda assim fui o mais cortês que consegui ser. De tarde depois do almoço, Damian contou de suas peripécias na viagem que fizera, eu ouvia tudo com uma desempolgação tremenda, por isso fingi um mal-estar e me recolhi aos meus aposentos, continuando a leitura de algum romance açucarado. Com o tempo o barulho na sala de estar foi cessando e eu me senti disposta a sair para tomar um ar.

Na varanda me deparo com o Damian olhando as estrelas, fato que eu arquivei na memória para pensar sobre mais tarde pois achei curioso. Sentei-me na cadeira de balanço e me pus a observar o começo da noite e aquele ragazzo. Percebi a maneira com que ele olhava para o céu era de quem buscava algo profundo e emocionante, assim como eu tinha feito há muito tempo atrás, embora ele provavelmente tivesse a minha idade.

Me levanto para entrar na casa quando vejo o ragazzo me olhando, esperando, com o olhar precisando de promessas que eu não iria cumprir. Sorri educadamente e fui conversar com meu travesseiro...

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Ecos de uma vida

Retomarei a escrita dos contos "Ecos de uma vida", para quem não conhece aqui vão os links dos outros contos [também acessível pelo marcador que se encontra no final da página]


Cap. 1 - Hoje...
Cap. 2 - Aquele dia...
Cap. 3 - Revelações 
Cap. 4 - Planos
Cap. 5 - A viagem
Cap. 6 - O outro
Cap. 7 - O seu nome é...
Cap. 8 - Mentiras...

O próximo chegará logo... Aguardem

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Brb (be right back)

E é assim que volto a escrever...

Hey ya! Como vão todos os milhões [?] de leitores do meu blog?
[Afinal "my blog, my life"]

Então, venho por meio deste para comunicar as notícias recentes sobre a minha desinteressante vida.

Feliz Páscoa! Fui pro EREGEO-SUL em Chapecó e fiz vários geoamiguinhos! Weeeeeeeeeeee o~
E neste sábado joguei no time vencedor da Geocopa feminina, o OrGéia que é melhor que geléia e tem as gurias mais gatas!



Primeiro jogo ganhamos de 8 x 0 e o segundo ganhamos de 4 x 2 em um jogo sofrido e com a demonstração de habilidade bem forte!
Queria agradecer tanto ao Geopussy e ao Ponto Geo pelos maravilhosos jogos.

Ontem eu estava triste, mas é normal de repente querer desistir de tudo de tanto estresse/cansaço.
O negócio é não deixar se abalar mas se permitir por pra fora, para que as "coisas ruins" não definam quem você é. Obrigada a todos geoamiguinhos que me deram abraços, vocês podem fazer isto sempre! ;D

See ya!
=*

domingo, 11 de março de 2012

Merda [1]

Chega! Não tenho mais rosto!

Que importa ter sorrisos? Expressões? Emoções?
Decidi! Não tenho mais rosto!

Sou apenas uma caneca dentre tantas.
Personalizada, é verdade, mas apenas mais uma.

Brilhar

Você me disse que tudo seria diferente
E por alguns segundos eu acreditei
Acreditei que todos os meus sonhos
Pudessem ser reais

Eu olhei nos seus olhos
Que diziam: "Me desculpe"
E então eu soube
Que eu tinha que partir
Não pela última vez

Deixar de ser quem eu sou
E me procurar de volta
Esta constante inconstância
De um mundo interno a girar
Rodopiar infinitamente

Até que o dia vire noite
A noite vire dia reluzente
O chão não tente mais me engolir
E eu estarei de volta outra vez

Porque simplesmente
Olho pro mundo e vejo o lado bonito
E me sinto só por alguns segundos
Antes de lembrar também sou poeira de estrela
E que eu também nasci pra brilhar

By Aline Vidoto ao som de The Cure - Homesick

Ontem 10/03

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Celular, balada, pamonha e greve

Boa noite [ou inserir o cumprimento adequado aqui] caro[a] leitor[a],

Continuando a série "My blog my life" que é uma espécie de diário [que chamo de blog]... Segue abaixo as notícias dos dias passados, o que é deveras interessante de um ponto de vista de uma realidade paralela mas enfim.

Greve, nem vou falar muito pois por enquanto eu ainda  não sofri com os efeitos dela [só se o efeito de ficar entediada contar!], mas é muito "o Apocalipse está chegando" ver os tubos vazios e as ruas sem os ônibus. Por falar nisso, lembrar que dia 12 de abril estreia a segunda temporada de Game of Thrones [e sim, eu já li o livro antes ê o/], [e aquela frase que aparece em quase todo episódio: "O Inverno está chegando" [neste contexto que a linha de pensamento se torna clara ao saltar de um apocalipse para o seriado, se bem que...], pra comemorar a data futura baixei a primeira temporada de volta [não que faça alguma diferença na sua vida saber disto...].

"Pamonha! Pamonha! Pamonha! Pamonha feita pelos 'Fraga's", embora eu não tenha Fraga no nome foi super divertido ajudar a fazer pamonha com meu avô tias, primo, prima... Enfim, foi bom embora eu tenha realmente enjoado de pamonha^^ [é bem mais gostosa quando você que faz!]

Balada é um local mágico, disto já sabemos, por isso tem tantas patricinhas que não consegue ficar sem balada pessoas que curtem sair e se divertir e se for uma baladinha de música eletrônica prog nervosa é mil vezes mais divertida. Enfim, tudo tem um lado bom e um lado ruim, o bom é a balada em si, amigos e bem... acontecimento que eu esperava mas não tinha mais tanta esperança [você também ficou confuso[a]?]. Lado ruim é que perdi meu celular! Pior ainda é que não ouvi a minha intuição de deixar tal instrumento tecnológico que hoje em dia é tão indispensável que nos sentimos nuas e isoladas do mundo sem ele [forever alone, ainda mais se a net do seu trampo for bloqueada]. Entre mortos e feridos, bom meu celular tava mais pra um morto inteiro do que pra ferido, mas ele funcionava bem! Resultado: coloquei meu Nokia N85 para arrumar, espero que dê certo e a Tim é boba, chata e burra porque não tem bloqueio para chip perdido no atendimento por telefone.

Pra quem for sensível demais aos sentimentos dos outros não leia a poesia do post abaixo, ela pode te causar comichões pra me perguntar porque eu escrevi aquilo. Mas pra mim é uma pergunta tão escrota como: "Por que você defeca?" Simples, porque o que não serve mais jogamos fora. UAU, agora entendi o motivo pelo qual reclamo tanto. Enfiiiiiiiiiim, acho que ter perdido tantas coisas materiais ultimamente é um aviso para eu me desapegar. Ok, anotado, sinceramente vou tentar melhorar em relação à este assunto [não estou sendo irônica].

Ah, tive a ideia de por alguns desejos por meio de contos +18  mas isto ainda é um projeto. Pois não sei se consigo expressar em palavras o que eu desejo, pois talvez não tenha nome, talvez tenha, mas estou certa que o que for pra ser, já é! E isto me dá uma segurança absurda! Segurança esta que acaba a partir do momento que estou a tarde inteira na internet, acho que preciso voltar a ler como se não houvesse amanhã, pois na verdade não há, o que tem é o agora e o agora mais longo^^

Escrevo pra mim, sim, sou egoísta! =P Escrevo para entender o que sinto, o que aconteceu, pois assim consigo ver o "problema" em questão de um ponto de vista externo, como se eu fosse uma terceira pessoa de mim mesma. Profundo? Talvez! O fato primordial é que acordaram uma parte de mim que eu queria manter dormindo pois ela me incomoda muito algumas vezes, me deixa descontrolada. E o fato é que este acumulo de energia está me deixando completamente maluca, quem sabe se eu virar maníaca por exercícios físicos eu não poderia converter e assim... Enfim, não importa!

Quero agradecer ao Sr. Maurício Nero por sempre ouvir as bobeiras que tenho pra dizer! Quero agradecer a todos que leem este humilde diário blog. E também agradecer a todos que um dia ou que ainda são importantes para mim.

E quero deixar uma dica, eu prefiro saber da verdade. Mesma que ela possa doer no início, mas ela liberta de um modo ultra-fodástico. Além do mais, a 5 minutos pra 1 hora da manhã é algo que me faz refletir de uma maneira intensa.

Última coisa [prometo], tive dois sonhos legais ontem antes de acordar, sonhei que a minha vizinha estava recuperada do acidente e que tinha uma festa na casa dela, na qual nós estávamos conversando alegremente. Segundo sonho [ou primeiro], eu estava com um grupo de meninos que não lembro quem são e tinha uma espécie de competição estranha como se fosse um Carnaval do mal [estava escuro], nesta Ilha onde sempre está de noite, e eu não sei porque estou compartilhando isto, mas eu acho que eu devo. Quem sabe alguém possa me ajudar a interpretar!

Agora sim! Uma da manhã e receio que ainda escreverei mais. Bom, desejei a inspiração e ela chegou ontem ao tomar banho mas eu fiquei com preguiça de escrever! [Este ato que viajantes desejam retornar pra fins totalmente pessoais]

Um até logo e um beijo no coração pulsante de cada um [a não ser que você não tenha! hahahaha]
See ya!
=*

Agonia


De repente a agonia toma conta de mim
Assim procuro, assim corro
É loucura, é desespero
E eu não sei qual é o motivo

Primeiro, talvez, por acreditar que nunca aconteceria
Segundo para tentar fazer acontecer de novo
Terceiro, eu odeio estar descontrolada
Quarto, preciso de alguém que me diga:

"Aline pare! Respira! Calma! Fique de boa!"

E talvez se um dia voltar a agonia de te querer
Eu volte a me sentir assim, cada dia menos
E talvez cada dia mais vontade de você

O fato é que é uma via de duas mãos
Nem menos e nem mais...
E se eu precisar me retirar para você vir
Eu o farei! Ah! Alívio! Tô calma de volta!^^

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Acredito...

Eu acredito em DEUS, acredito que Ele/a é a energia que faz a ligação entre o núcleo e os elétrons do nosso átomo, a tal energia taquiônica descoberta por Nikola Tesla.
Acredito que não existe pecado, o que existe é a falta de amor e a falta de estar no caminho divino.
Acredito que este é o ano que o MEDO será eliminado da Terra e que o Brasil é o país do futuro.
Acredito que o conhecimento do interior é o único que pode nos fazer transcender as camadas superiores.
Acredito em aceitação, amor, paz, conhecimento.
Acredito que todos irão buscar seu crescimento espiritual individual onde quer que se sintam a vontade, com a religião que ele acredita que o ajuda.
Acredito que todas as religiões estão certas em crer num Deus/a uno.
Acredito que todas as falsas-verdades serão trazidas a Luz.
Acredito que estamos no período de transição, que logo irá acabar para os "escolhidos".
Acredito que encarnamos para evoluir, para sermos instrumentos divinos, para melhorar.
Acredito que as coisas são cíclicas ascendentes. Eu acredito na Era de Aquário!


Bom retorno às aulas pra quem já começou e bom resto de férias pra quem só volta em Março.
Saudades de todos meus amigos/as.
=*

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Ilha do mel, virada, fim do mundo, revoltas, agradecimentos!

Ilha do Mel

Como sempre defendo a teoria que a Ilha do Mel é um lugar mágico. Onde o tempo passa de maneira diferente e onde o maior desejo das pessoas é somente uma bicicleta.
Com este simples fato, já que não há carros circulando na ilha, dá a impressão de que lá somos iguais. Embora geralmente dizem que quem está lá é pq tem muito dinheiro, o que não é necessariamente verdade, afinal sou estagiária. Nada que poupar um pouco, cartão de crédito e auxílio dos irmãos não resolva. E a parte triste é ter que dizer "até logo e obrigado pelos peixes", pois lá dá vontade de ficar pra sempre.

Virada do ano: Como planejado/reservado pegamos um pacote fechado da virada em um camping muito bom de lá. Sim, pagamos caro se for comparar com outros campings e outras épocas. Mas o mais importante é indescritível: a nossa vaga estava garantida em um dos eventos anuais que lotam a Ilha e no último dia sempre falta água [fikdik].
Ir com seus irmãos acampar é muito bom! Ainda mais pra Ilha que parece que tudo lá é significativamente melhor do que "no continente", como os nativos dizem.
Teve tudo o que uma virada precisa ter: festa, depois da virada e antes teve chuva, tempestade. E eu teria visto o Sol nascer no mar se não tivesse chovendo. Parecia que o mundo tinha acabado, sério.

Volta: Como disse anteriormente, a parte da volta é a mais triste. Mas todos voltaram empolgados ainda que todos tenham dormido no ônibus que demorou quase 3 vezes mais. Voltei com um gás incrível que já está sendo diluído pela rotina.


Curitiba

Estou há duas semanas em Curitiba e tenho sentido um sono de morte MUITO TENSO. Talvez pelo fato de trabalhar cedo, talvez pelo fato de não conseguir dormir cedo ou até mesmo pelo fato que eu dormia em uns horários estranhos lá na Ilha do Mel. Mas agora está estabilizando.

Alguns gritos internos que preciso que ouçam: primeiramente se você some e reaparece do nada [vulgo BROTA] pqp me faça o favor de não vir diretamente com cantadas/convites hard pq eu não tenho paciência pra isso e certamente irei te dar um corte simplesmente pq me sinto ofendida com tal objetividade; segundo - ME DEIXA RESPIRAR pelamor! Poxa, se o bagulho não é sério e não existe nenhum tipo de contrato verbal: esteja avisado que para todos os fins eu estou solteira! Desgruda, deixa eu me divertir com meus amigos! Por acaso eu fico me escalando pras coisas em que não sou convidada? Não! Existe uma coisa que eu tomo que você deveria conhecer: Semancol! Deixa de ser Juniorzão, mimadinho! Tem certas coisas que é normal e muito saudável que você não esteja lá, tipo: chá de bebê, tarde com amigas, locais para onde não foi convidado entre outros. 

Agradecimentos:
Primeiramente à toda a minha família, minha mãe, meu pai, minha irmã e meu irmão, e também as cadelas lindas que são as bebês da nossa casa: Mila, Monalisa e Pandora [Panda].
Em segundo lugar à todos amigos e amigas que contribuem para minha evolução e tem paciência com meus mimimis eternos, como as minhas esposas principais: Pati, Rubia e Cinthia.
Em terceiro lugar quero agradecer à todos amigos e amigas que contribuem na hora que o bicho pega na faculdade e na hora do divertimento que é tão necessário para aliviar o estresse e não culminar em atos deploráveis como, por exemplo, assassinar os amiguinhos.
Em quarto lugar quero agradecer à todos que se relacionaram afetivamente comigo e me permitiram o crescimento pessoal nesta área, principalmente meus ex-namorados: Paulo, Guilherme e Jean. Sem contar as pessoas especiais que conheço.
Em quinto lugar e não menos importante: todas as outras pessoas que passaram e as que ainda passarão na minha vida que fazem com que a minha vida torne um rumo significativo.

Quero aproveitar e desejar a todos do mundo inteiro um feliz ano novo, que este ano seja melhor e que todos evoluam significativamente em suas vidas, assim sentimos que nossos caminhos estão sendo aproveitados e que a vida é maior do que imaginamos.